[RESENHA] Espumas flutuantes, Castro Alves


“Espumas Flutuantes” é a única obra publicada em vida pelo poeta Castro Alves. Publicado em 1870, o livro reúne 53 textos, incluindo versões de poesias de autores como Victor Hugo e Lord Byron.

A obra é marcada por imagens grandiloquentes da natureza (como mar, céu, tufão, sol) e pelo uso abundante de recursos retóricos. Enquanto a poesia de cunho social predomina em outras obras de Alves, aqui o principal tema é o amor.

Ao retratar o amor, Castro Alves segue caminhos diferentes dos poetas das gerações anteriores. Em vez do amor espiritualizado de Gonçalves Dias ou do onírico de Álvares de Azevedo, retrata suas musas com sensualidade quase erótica.

A inspiração para muitos desses versos vem do romance com a atriz portuguesa Eugênia Câmara. Suas experiências e inspirações amorosas refletem-se, por exemplo, em “Boa-Noite”, “Adormecida” e “Hebreia”, três dos melhores poemas.

Apesar de alguns versos de gosto duvidoso, quando bem-sucedido, o poeta é capaz de apontar tendências parnasianas – no rigor da forma, nas descrições plásticas e precisas, nas imagens escultóricas e nas referências a elementos do mundo greco-romano.

Castro Alves também recebeu influências decisivas da geração ultrarromântica: a subjetividade, a paisagem que se incorpora aos dotes da amada ou do amante, os sentimentos impulsivos e explosivos. Ele também tinha um gosto pelo tema da morte, que integra “Espumas Flutuantes” – mas sem o tom dos ultrarromânticos.

Em resumo, “Espumas Flutuantes” é uma obra lírica significativa que une experiência e inspiração, dando uma nova face à poesia amorosa. A linguagem da poesia de Castro Alves é saborosa, apresenta uma perspectiva crítica e revela alguns traços do Realismo.

“Espumas Flutuantes” é a única obra publicada em vida pelo poeta brasileiro Castro Alves. Publicada em 1870, o livro reúne 53 textos, incluindo versões de poesias de autores renomados como o francês Victor Hugo e o inglês Lord Byron.

Período Histórico

Castro Alves nasceu durante o Segundo Reinado, que durou de 1840 a 1889, sob o comando de Dom Pedro II. O debate sobre a escravidão teve avanços importantes nesse período. A abolição da escravatura só ocorreu em 1888, com a assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel.

Relevância Cultural

Castro Alves é conhecido como o “Poeta dos Escravos”, expressando em suas poesias a indignação aos graves problemas sociais de seu tempo. Ele é o patrono da cadeira n.º 7 da Academia Brasileira de Letras.

Inspirações

As biografias do poeta mostram que a inspiração para muitos desses versos vem do romance com a atriz portuguesa Eugênia Câmara. Suas experiências e inspirações amorosas refletem-se, por exemplo, em “Boa-Noite”, “Adormecida” e “Hebreia”, três dos melhores poemas.

Sinopse da Obra

“Espumas Flutuantes” é uma coletânea de poemas que abrangem os mais variados temas de sua poética. A obra tematiza o amor, o erotismo e o lamento pela chegada da morte. Enquanto em outras obras predomina a poesia de cunho social, aqui o principal tema é o amor. Ao retratá-lo, Castro Alves segue caminhos diferentes dos poetas das gerações anteriores: em vez do amor espiritualizado de Gonçalves Dias ou do onírico de Álvares de Azevedo, retrata suas musas com sensualidade quase erótica, em cenas em que demonstra maturidade no trato do feminino.

A obra é notável por sua linguagem saborosa, perspectiva crítica e revela alguns traços do Realismo. No entanto, a linguagem desta coletânea de poemas é essencialmente romântica e muito carregada de emoção e paixão. A lírica amorosa de “Espumas Flutuantes” apresenta bem poucos poemas que contenham vestígios de um amor platônico e da idealização feminina. Em vez da “virgem pálida”, a mulher nos poemas de Castro Alves é um ser concreto e participa ativamente do envolvimento amoroso.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo