Prêmio: Os melhores do ano do mercado editorial

Os melhores do ano chegaram e eles estão imperdíveis. A listagem de vencedores foi elaborada perante uma votação em nossas mídias sociais, e nossos leitores escolheram por categoria. Confira abaixo os vencedores.


1. Melhor poesia: Poesia te escrevo agora, de João Cabral de Melo Neto


Lançada originalmente em 2010, com o título João Cabral de Melo Neto: Poemas para ler na escola, esta antologia ganha agora uma edição ampliada, mostrando sua atualidade e relevância.
João Cabral de Melo Neto, autor de um dos poemas mais conhecidos da nossa literatura – Morte e vida severina –, é dono de uma poesia atemporal, que influenciou gerações de leitores. Ao contemplar diversas fases da trajetória artística do poeta, esta seleção traz também seus temas mais emblemáticos, tornando-se uma perfeita porta de entrada para os que querem ter contato com sua obra, sem desconsiderar aqueles que já estão familiarizados com ela.
A educação pela pedraMuseu de tudo e Uma faca só lâmina são apenas alguns dos livros que emprestaram seus versos para Poesia, te escrevo agora, que se divide em quatro partes: figuras e paisagens; o nordeste, seus heróis e destino; objetos; e, o poeta. Ao fim, é possível vislumbrar com nitidez a engenharia poética e a genialidade deste admirável escritor.


"– Afinal, o que é poesia?
 O que dá taquicardia.
Com essas palavras, João Cabral define seu trabalho.
Sua principal missão?
Não sou político nem creio que literatura mude nada na sociedade; mas achei que devia deixar meu protesto.
Vale ler, reler, decifrar as entrelinhas, debater talvez, mas sobretudo sentir."
Inez Cabral


2. Melhor livro infantil: corpo, corpinho, corpão, de Mey Clerici e Ivanke


Uma garotinha muito animada nos apresenta aos seus amigos e à sua família, nos mostra sua casa e nos explica para que servem algumas partes do corpo – a boca serve para cantar cantigas de dinossauros, os braços para escalar bem alto e o cabelo para proteger a cabeça do frio. Tudo isso para contar um pouquinho sobre quem ela é e mostrar que cada corpo é de um jeito. Aos poucos ele cresce, se transforma e carrega todas as nossas histórias.
Interativa, a obra da dupla argentina Ivanke e Mey Clerici traz abas em suas últimas páginas, para mostrar brincando e na prática o corpo em fase de crescimento.

3. Melhor livro de ficção: VIA ÁPIA, de Geovani Martins


Depois de estrear na literatura com a coletânea de contos O sol na cabeça e alçar de imediato a condição de ponta de lança da ficção brasileira, com forte repercussão internacional, sendo publicado por grandes editoras em mais de dez países, Geovani Martins publica seu primeiro romance – Via Ápia. Nesta engenhosa narrativa sobre os impactos da instalação da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na vida dos moradores da Rocinha, a trama é dividida em três partes: a expectativa com relação à invasão; a ruidosa instalação da UPP; e a silenciosa partida da polícia e a retomada dos bailes funk que fazem o chão da favela tremer. Em capítulos curtos, que trazem perspectivas cruzadas, o narrador nos conduz pelas vidas dos cinco jovens protagonistas – suas paixões, amizades, dramas pessoais, ambições, frustrações, sonhos e pesadelos.
Brilhante nos diálogos e mestre na narrativa, Martins é também certeiro no diagnóstico dos efeitos perversos da guerra às drogas. Ao enviar sua tropa de choque para a Rocinha, o Estado parece apresentar uma única resposta aos problemas do Brasil: a morte. A resposta dos moradores é bem outra: a vida, sempre ela, é o que faz a favela pulsar.

4. Melhor livro de não-ficção: Uma terra prometida, de Barack Obama


No comovente e aguardado primeiro volume de suas memórias presidenciais, Barack Obama narra, nas próprias palavras, a história de sua odisseia improvável, desde quando era um jovem em busca de sua identidade até se tornar líder da maior democracia do mundo. Com detalhes surpreendentes, ele descreve sua formação política e os momentos marcantes do primeiro mandato de sua presidência histórica – época de turbulências e transformações drásticas.
Obama conduz os leitores através de uma jornada cativante, que inclui suas primeiras aspirações políticas, a vitória crucial nas primárias de Iowa, na qual se demonstrou a força do ativismo popular, e a noite decisiva de 4 de novembro de 2008, quando foi eleito 44º presidente dos Estados Unidos, o primeiro afro-americano a ocupar o cargo mais alto do país.
Ao refletir sobre a presidência, ele faz uma análise singular e cuidadosa do alcance e das limitações do Poder Executivo, além de oferecer pontos de vista surpreendentes sobre a dinâmica da política partidária dos Estados Unidos e da diplomacia internacional. Obama leva os leitores para dentro do Salão Oval e da Sala de Situação da Casa Branca, e também em viagens a Moscou, Cairo e Pequim, entre outros lugares.
Acompanhamos de perto seus pensamentos enquanto monta o gabinete, enfrenta uma crise financeira global, avalia a figura de Vladímir Pútin, supera dificuldades que pareciam insuperáveis para aprovar a Lei de Assistência Acessível (Affordable Care Act), bate de frente com generais sobre a estratégia militar dos Estados Unidos no Afeganistão, trata da reforma de Wall Street, reage à devastadora explosão da plataforma petrolífera Deepwater Horizon e autoriza a Operação Lança de Netuno, que culmina com a morte de Osama bin Laden.
Uma terra prometida é extraordinariamente pessoal e introspectivo – o relato da aposta de um homem na história, da fé de um líder comunitário posta à prova no palco mundial. Obama fala com sinceridade sobre os obstáculos de concorrer a um cargo eletivo sendo um americano negro, sobre corresponder às expectativas de uma geração inspirada por mensagens de "esperança e mudança" e sobre lidar com os desafios morais das decisões de alto risco. É honesto sobre as forças que se opuseram a ele dentro e fora do país, franco sobre os efeitos da vida na Casa Branca em sua esposa e em suas filhas e audacioso ao confessar suas dúvidas e desilusões. Jamais duvida, porém, de que no grande e incessante experimento americano o progresso é sempre possível.
Brilhantemente escrito e poderoso, este livro demonstra a convicção de Barack Obama de que a democracia não é uma benção divina, mas algo fundado na empatia e no entendimento comum e construído em conjunto, todos os dias.

5. Melhor autor: Manoel de Barros


MANOEL DE BARROS (1916-2014) nasceu em Cuiabá, mas foi criado numa fazenda próxima a Corumbá. Em 1937, publicou seu primeiro livro de poesia, Poemas concebidos sem pecado. A partir de então, conquistou vários prêmios importantes, nacionais e internacionais, e sua obra foi traduzida para diversos idiomas.

6. Melhor biografia: Freddie Mercury, de Lesley-Ann Jones


Freddie Mercury dispensa apresentações. Mas o que há por trás desse mito do rock? Como ele era nos bastidores? Como foi sua infância e por que ele a escondeu tão bem?

Freddie era uma figura pouco convencional no meio do showbiz. Carente, inseguro, com uma forte personalidade, fã de ópera, mitologia e astrologia, Farrokh Bulsara, também conhecido como Freddie Mercury, é uma figura que merece ser conhecida de perto. Freddie Mercury: A biografia definitiva é uma ótima oportunidade para isso.

De longe, Freddie Mercury era um roqueiro carismático, talentoso, extravagante e performático. De perto, era o oposto: dono de um temperamento infantil e em constante crise com sua aparência e seu passado. Originário da exótica Zanzibar, havia muitos caminhos para Farrokh Bulsara seguir.

Mas quis ele - com a ajuda do destino - se tornar Freddie Mercury, considerado por muitos o maior vocalista da história do rock. À frente do Queen por mais de vinte anos, ele emplacou sucessos, participou de festas homéricas, lotou estádios, se envolveu em romances e marcou a música para sempre.

A verdade é que existem vários “Freddies” entre o Mercury e o Bulsara. Para falar sobre eles, só mesmo quem o conheceu de perto. Amigos, amores, companheiros de banda, empresários e, claro, a jornalista Lesley-Ann Jones, autora deste livro.

Ela foi amiga íntima não só de Freddie, mas também daqueles próximos a ele, o que lhe permitiu ter livre acesso a todos que fizeram parte da trajetória do Queen. Trajetória que é narrada nas páginas e no encarte de fotos deste livro de forma intensa, pessoal e sem pudores.


7. Melhor Editora: Record


A record juntamente com todo conglomerado editorial do Grupo Editorial record está celebrando 80 anos de publicações e recebeu mais de 30.000 votos como a melhor editora do ano.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo