[RESENHA #494] Me chame pelo seu nome, de André Aciman

Livro que inspirou o filme dirigido por Luca Guadagnino, aclamado nos festivais de Berlim, Toronto, do Rio, no Sundance e um dos principais candidatos ao Oscar de 2018.

A casa onde Elio passa os verões é um verdadeiro paraíso na costa italiana, parada certa de amigos, vizinhos, artistas e intelectuais de todos os lugares. Filho de um importante professor universitário, o jovem está bastante acostumado à rotina de, a cada verão, hospedar por seis semanas na villa da família um novo escritor que, em troca da boa acolhida, ajuda seu pai com correspondências e papeladas. Uma cobiçada residência literária que já atraiu muitos nomes, mas nenhum deles como Oliver. 

Elio imediatamente, e sem perceber, se encanta pelo americano de vinte e quatro anos, espontâneo e atraente, que aproveita a temporada para trabalhar em seu manuscrito sobre Heráclito e, sobretudo, desfrutar do verão mediterrâneo. Da antipatia impaciente que parece atravessar o convívio inicial dos dois surge uma paixão que só aumenta à medida que o instável e desconhecido terreno que os separa vai sendo vencido. Uma experiência inesquecível, que os marcará para o resto da vida. Com rara sensibilidade, André Aciman constrói uma viva e sincera elegia à paixão, em um romance no qual se reconhecem as mais delicadas e brutais emoções da juventude. Uma narrativa magnética, inquieta e profundamente tocante.

Aciman, André. São Paulo: Me chame pelo seu nome, p. 288, 2018 ISBN: 978-85-510-0273-5

Leia um trecho desta obra aqui.

O romance de estreia imaginativo do livro de memórias/acadêmico Aciman (Variações enigma, 2017, etc.), combina um novo amor com temas familiares de migração e peregrinação.

Em algumas partes do mundo, pode-se ser pego pelo pequeno romance em questão, conhecendo um estudante de música de 17 anos que é extremamente bem educado - muito poucos adultos com diploma universitário que leram Celan, ouviram falar de Athanasius Kircher ou nunca. O livro narra a história de um estudioso de 24 anos que põe o pé no mundo dos gregos antigos e o outro pé em qualquer submundo que uma cidade litorânea italiana possa oferecer. Oliver é brutalmente bonito e observa um mundo cruel, "um juiz frio e perspicaz de caráter e circunstância". Coberta com óleo bronzeador, sob o sol do Mediterrâneo, ele deixou o jovem Elio quando a viu. Oliver estava bem ciente do resultado, pois todos, homens e mulheres, o amavam: o pai de Elio, hóspede de Oliver, apreciava a bravura do jovem em debater filosofia e recursos de palavras, e as jovens da vizinhança por causa deles. afeto de estrela de cinema, velha esposa com seu comportamento de cowboy. A chance de Highsmith de obter conquistas surgiu, mas enquanto Oliver tinha seu lado perigoso (por exemplo, ele era um jogador de cartas), Aciman nunca foi ingênuo; O amor de Elio tem uma certa qualidade pura ("Eu sou Glauco e ele é Diomedes"), que não alivia a dor quando tudo é revelado, quando o jogo mental acaba e o homem O homem mais sábio do livro é revelado. tornou-se o pai bondoso e carinhoso de Elio, com pungência e inquestionável conforto da melhor forma: “Agora é tristeza. Não invejo sua dor. Mas eu invejo sua dor. Essa dor cria um final feliz, de certa forma.

A história segue Elio, de dezessete anos, e o convidado americano de seu pai, Oliver, por mais de seis semanas quentes e úmidas na casa italiana da família. À medida que Elio e Oliver formam uma amizade improvável, ela rapidamente se transforma em um relacionamento romântico, fortalecido ainda mais pela suave e bela paisagem italiana como pano de fundo para o crescimento de seu afeto. Conforme a história avança, o relacionamento deles se fortalece, mas, infelizmente, uma viagem de verão chegando ao fim os deixa tensos.

Cheio de poesia e prosa poderosa, Call Me by Your Name é uma história evocativa e atmosférica que atrai leitores ao longo das praias ensolaradas da Riviera italiana. Um conto apaixonado de amor, intimidade e decepção, bem como amor e desgosto que muitas vezes se desenrola, Me Chame Pelo Seu Nome é uma bela história de amadurecimento que cativará leitores de todas as idades. e muita bondade. de amor desaparece e envelhece, mas permanece forte e eterno.

Os guias espirituais envolvidos na atração raramente são capturados de forma mais brilhante do que na representação franca, inabalável e comovente da paixão humana de André Aciman. Me chame pelo seu nome é claro, rebelde e, finalmente, inesquecível.

Um livro quente e misto em sentimentos e noções de afeto e a busca pelo reconhecimento do amor em nós, amargo como tomar vodca pela primeira vez e doce como a última.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo