[RESENHA #512] Orgulho e preconceito, de Jane Austen


AUSTEN, JANE: Orgulho e preconceito: São Paulo, Editora PedrAzul, 185p

Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, é considerada uma das obras mais importantes da literatura inglesa. Esta obra, publicada em 1813, é a história da família Bennet e seu casamento. Austen usa a narrativa para mostrar o que era a sociedade inglesa da época, em especial o papel das mulheres. A história gira em torno do preconceito e orgulho, dois temas que Austen aborda de forma profunda e poética.

Em primeiro lugar, Austen mostra o orgulho como um sentimento que limita a felicidade e a liberdade dos personagens. Os personagens principais, Elizabeth e Mr. Darcy, são ambos muito orgulhosos, e isso cria um grande obstáculo para o seu relacionamento. Mr. Darcy tem orgulho não apenas da sua posição social, mas também do seu próprio valor moral. Ele acredita que é superior a todos os outros e que tem o direito de julgar as pessoas. Elizabeth também é muito orgulhosa e isso a impede de reconhecer o seu amor por Mr. Darcy.

Além disso, Austen usa o preconceito para mostrar como a sociedade pode limitar as oportunidades de alguém. Mr. Darcy é um homem rico e bem-educado, mas a sua família é alvo de preconceito por parte dos outros personagens. O seu orgulho e a sua condição social impedem-no de se relacionar com as pessoas que não pertencem à sua classe social.

No entanto, Austen também mostra que o amor é mais forte do que o orgulho e o preconceito. Apesar de todas as dificuldades, Elizabeth e Mr. Darcy conseguem vencer o preconceito e o orgulho e estabelecer um relacionamento. Esta história é um exemplo de como o amor pode vencer qualquer obstáculo.

Orgulho e Preconceito é um filme inspirado na obra de Jane Austen, Homonio  que ganhou destaque ao abordar questões de casamento, moralidade e racismo. Dirigido por Joe Wright com roteiro de Deborah Moaggach, o elenco inclui a aclamada atriz Keira Knightley (Lizzie), indicada ao Oscar de Melhor Atriz. Com 127 minutos e inteiramente rodado no Reino Unido, o filme nos mostra a história de uma família inglesa do interior com cinco filhas, e segundo a tradição da época, todo homem procura um amigo. ideias que farão toda a diferença, pois uma em cada cinco (Lizzie) tem uma personalidade forte e maravilhosa. O projeto arrecadou US$ 121.141.947 em bilheteria em 2005, ano de sua estreia no Reino Unido (Brasil – fevereiro de 2006).

Lizzie, a personagem principal, é um jovem que não se interessa pela beleza e não é, pelos padrões da época, "nem feio nem bonito". Seu parceiro é o Sr. Darcy, que chega à cidade com o que todos querem, o Sr. Bingley. Eles são ricos e solteiros, então se dão bem com todas as garotas da cidade. Jane, irmã de Lizzie, cuida de Bingley, que retribui o mesmo sentimento. Já o Sr. Darcy desperta amor em Lizzie e chama sua atenção.

É assim que a peça continua, Sr. Versos de Darcy (rico) Lizzie (aristocrata do interior), onde ocorre uma partida mental. Os dois, nessa conversa sensual, começam a se apaixonar profundamente. No entanto, não só eles, mas também o Sr. Bingley e sua irmã, Jane. À medida que o filme avança, percebemos que essa atitude do jovem rico Sr. Bingley, uma filha muito bonita com uma sólida situação financeira, achava que, na época, o casamento era a melhor maneira de melhorar a vida de alguém. Lizzie deixa claro que se opõe a essa ideia na trama, mostrando seu orgulho toda vez que ela se opõe a essa ideia de "casamento futuro".

Acredita-se que os valores não mudaram muito, claro que houve evoluções culturais, mas para algumas pessoas casamento ainda é sinônimo de “qualidade de vida”. No período retratado no filme, narrado por Celson Sabadin, o casamento era um contrato financeiro em que os amantes guardavam seus sentimentos em mar calmo para se casar pela aparência.

Obviamente, esse é um dos propósitos do espetáculo, nos ajudar a pensar sobre os valores que existem na sociedade atual, que, como dizem alguns, ainda não se desenvolveram muito moralmente. e comportamento. Por exemplo, o que antes era óbvio, como a filha mais bonita subir na classe social, hoje é escondido, mas não para, os jovens casam cedo e não levam a sério.

Diante desse rico texto, onde valores são expressos com o objetivo de valorizar a cultura, o filme é altamente recomendado. Afinal, mostra que o tempo passou, mudou e continuou a viver.

Em suma, Orgulho e Preconceito é uma história profunda sobre orgulho e preconceito. Austen usa a narrativa para mostrar como estes sentimentos podem limitar a felicidade e a liberdade dos personagens. No entanto, ela também mostra que o amor é mais forte do que o orgulho e o preconceito. É uma obra que continua a inspirar os leitores por causa da sua mensagem de amor e aceitação.



Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo