[RESENHA #517] As barbas do imperador, de Lilia Moritz Schwarcz


As barbas do imperador nos apresenta uma mistura de ensaio expositivo e biografia de d. Pedro II, este livro apresenta o mito da monarquia ao descrever, por exemplo, a construção de palácios, a mistura de festas francesas e tradições brasileiras, como uma boa sociedade executa belamente a arte do auto aperfeiçoamento, criando medalhas, emblemas, compostos frases. e brasão, o envolvimento do rei e a utilização da sua imagem nas cerimónias populares. Com suas penas de rouxinol, Pedro II legitimou a aceitação da cultura tropical; então, ao trocar as vestes reais pelas roupas de um cidadão, ele de alguma forma anunciará o declínio do Império. Promovendo um rico diálogo entre sua argumentação e o rico imaginário apresentado, o autor mostra que a monarquia brasileira não é apenas um mito poderoso, mas muito unificado. 1999 Prêmio Jabuti de Melhor Redação e Biografia

Schwarcz apresenta seu texto considerando o "mito do Aukê", que, segundo ele, ajuda "a entender a monarquia brasileira como uma experiência compartilhada por diferentes pontos de vista e passível de muitos restauros".

Discutirá, a partir desta lenda, a relação do Imperador e todas as reivindicações a favor ou contra ele, ele ainda questionará, com muita precisão, algum equívoco ou direção conflitante que a história A História ofereceu neste contexto, “afinal”. explicar para sempre, quase sessenta anos, de monarquia rodeada de repúblicas? Ou melhor, "como fazer isso?" negros e mestiços?”.

O autor também menciona o conflito estrutural ainda enraizado na cultura e na cultura do Império, “longe das opulentas cortes da Europa, capital da monarquia brasileira, que em 1838 contava com cerca de 37 mil escravos de uma população total de 97.000 habitantes, e em 1849, com uma população de -206.000, 79.000 foram capturados.” Ele também disse que "neste lugar, a corte e os palácios representam as ilhas hipócritas da Europa cercadas por mares tropicais".

Sobre "a relação Brasil-África", Schwarcz descreve "um intercâmbio mais amplo do que se pode imaginar à primeira vista". João José Reis, o escritor citado por Schwarcz, defende que "havia uma atitude régia, circulando entre os negros, que parecia ser a recriação de ideias de liderança africana, reforçadas experimentadas na colónia, e depois no país O príncipe herdeiro A popularidade de d. Pedro II entre os negros do Rio [...] A ideia do rei como fonte de justiça [...] ] também estiveram presentes na América, inclusive escravos".

A combinação de uma compreensão da cultura europeia com outras ideias locais, criadas na época colonial, é um dos pontos mais relevantes para compreender como os símbolos se arranjam para se adequarem à cultura, onde "o chapéu real conviveu com o chapéu divino e o ideia de realeza". O final está completo. catolicismo estrito brasileiro", e as relações forjadas nesse contexto, incluem "um amplo leque de expressões populares, como o carnaval", que, segundo o autor, "foi alimentado por cenas régias".

"Na verdade, em pleno continente americano, o Brasil era desprezado por outras repúblicas" (...). "Cercada de repúblicas, a monarquia brasileira tem mais obstáculos ao reconhecimento: de um lado, o ostracismo de outras nações americanas; de outro, difíceis relações com os países das Américas. País da Europa".

"Entre continuidade dinástica, persistência e modificação cultural, valores seculares e obscenos se misturam: as origens européias não expiram, mas se combinam com um ambiente único".

Schwarcz ainda observa que, "se do lado dos eleitos, o uso quase irônico da 'imagem do rei' (...) ".

"Governador de 1840 a 1889, d. A vida de Pedro II é contada em episódios dramáticos e ele é marcado a partir deles. Primeiro rei nascido no Brasil, Pedro de Alcântara é comparado a Deus. Criança na tradição portuguesa, considerado Imperador de os deuses na liturgia brasileira, entendida como d. Sebastião foi o último fiel às previsões de Vieira Filho de Bragança, Habsburgo e sobrenome Descendente direto dos Bourbons, d. Pedro é reconhecido como um deus europeu menor, cercado de mestiços. Mãe órfã em um ano, órfão de pai aos dez, governador aos catorze, mutilado, exilado aos 64, no seu caminho é difícil ver onde começa o discurso mitológico da memória, onde termina o discurso sobre política e ideologia ; onde a história começa, onde existem as metáforas”.

“Por isso não importa saber se o rei é educado ou não, muito inteligente ou não tem talento. É melhor encontrar uma maneira de construir a lenda deste Reino, o rei destes trópicos, por conta própria.”

Ao examinar Schwarcz, percebe-se que seu objetivo é encontrar as histórias e expressões que compõem a imagem de Pedro de Alcântara, muitas vezes motivada pelos interesses de um segmento da sociedade que tem O valor mais importante é o dinheiro, e reproduz o melhor contexto para uma nova interpretação.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo