[RESENHA #520] O homem e o mundo natural, de Keith Thomas

 

THOMAS, Keith. “O predomínio humano”. In:  homem e o mundo natural: Companhia das Letras, 1988. p. 21- 60.


Keith Thomas é um historiador, nascido em 2 de janeiro de 1933 na cidade inglesa da América do Norte, mais conhecido por seus livros "Religion and the Decline of Magic" e "Man and the Natural World". Ele é professor da Universidade de Oxford e membro da Academia Britânica. No livro "O Homem e o Mundo Natural", o autor fala sobre a relação do homem com o mundo natural e sua visão natural da natureza. trabalho

"destina-se a expressar ideias, algumas das quais foram habilmente expressas, em favor das ideias, pensamentos e sentimentos britânicos do início da era moderna em relação aos animais." , os pássaros, a vegetação e a natureza que eles deram a eles. muitas vezes em lugares que não podemos imaginar hoje” (p.19).

O capítulo “O Domínio do Homem” está dividido em cinco diferentes seções que visam examinar de diferentes formas as correntes de pensamento em favor da superioridade do homem sobre a natureza e as consideradas inferiores.

Na primeira parte, com o subtítulo “Fundamentos teológicos”, o autor parte da visão tradicional de que o mundo foi criado para servir e satisfazer o homem, e que as outras espécies devem se submeter a ele, princípio fundamentado no cristianismo e no cristianismo. no livro de Gênesis da Bíblia, porém, é justamente esse ponto que demonstra as dificuldades que existem nesse processo de domesticação no que diz respeito à história da criação e do pecado, quando o homem foi feito para mandar nos animais e o homem perdeu esse direito de mandar pelo pecado. Ao se referir ao cristianismo para justificar a destruição do ambiente natural pelo homem, o autor levanta questões sobre outras civilizações, embora não seguindo a visão antropológica do cristianismo ocidental, mas também localizadas na área da destruição ambiental. . Para explicar brevemente ao autor, "os problemas ambientais não são exclusivos do Ocidente, como erosão do solo, desmatamento e extinção de espécies que ocorrem em partes do mundo onde as culturas judaica e cristã não têm efeito". (página 29).

Na segunda parte do capítulo intitulado "A subjugação do mundo natural", o autor explica o uso da ciência como uma contribuição para a domesticação da natureza, uma vez que esta qualidade se fortaleceu desde o fim do mundo. Iluminação. O autor passa para a seção seguinte, "A Unidade do Homem", na qual o homem, para afirmar sua superioridade, quer se separar da natureza, baseado principalmente em questões de lugar como ponto de vista. O método split não faz isso. para satisfazer os princípios desejados pelo homem, passou então a buscar os campos de diferentes distâncias ao longo dos séculos, entre eles, as ideias religiosas, as palavras e os pensamentos. Argumentos que buscam puramente documentar essa distinção entre humanos e animais para justificar a domesticação de animais seriam moralmente indefesos diante deles. Esse mesmo tema será discutido na próxima seção, "Conservando as Fronteiras", mas de forma diferente, já que o discurso atualmente é baseado na manutenção das fronteiras entre humanos e animais, focando nos aspectos culturais contidos nos costumes e leis de comportamento com a finalidade de ocultar as várias características e dimensões físicas que podem levar ao comportamento humano e animal, "pois todas as obras da carne têm uma associação indesejável com os animais, com alguns comentaristas argumentando que o equilíbrio do físico, ainda mais do que o racional, separa o homem do animal” (p. 44). estabelece uma linha divisória em relação ao próprio indivíduo, quando de alguma forma ele viola essas leis morais, argumento que o autor examina na quinta parte do capítulo, "sub-humanas", onde linhas divisórias foram estabelecidas para justificar a criação, agora ajudam a justificá-la também. a escravização do próprio homem, que poderia ser considerado inferior, é agora comparado verbalmente a outras pessoas, neste caso consideradas inferiores, aos animais. Ocorreu então um processo de desumanização, para justificar o abuso e a escravidão.

"Se eles devem ser tratados como animais, os humanos devem ser tratados dessa forma. O governo humano removeu os animais da esfera de preocupação humana. Mas também permite o maltrato daqueles que têm direito a isso. presumivelmente vivendo em um animal estado." (página 45)
O autor desenvolve linhas de argumentação que foram usadas ao longo do tempo para apoiar os princípios da superioridade humana. Ao longo deste capítulo, porém, ele desenvolve uma ideia dos fatores que contribuíram para o desenvolvimento desse pensamento antropológico e descarta esses mesmos argumentos, característica que torna a obra um tanto confusa em sua opinião.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo