[RESENHA #615] O homem que compreendeu a democracia: A vida de Alexis de Tocqueville, de Oliver Zunz

Uma biografia informativa sobre Alexis De Tocqueville, cuja análise sobre liberdade, igualdade e democracia tem sido influente por quase dois séculos.


APRESENTAÇÃO

De origem nobre e nascido no final do turbulento período de Terror da Revolução Francesa, Alexis de Tocqueville teve muitos de seus familiares presos e até mortos na guilhotina no período que antecedeu o estabelecimento da Primeira República Francesa, em 1794. E mesmo testemunhando o morticínio que levou à mudança de regime, foi uma voz importante de defesa do sistema democrático em detrimento da aristocracia.

Em 1831, aos 25 anos, Alexis de Tocqueville viajou para os Estados Unidos e observou a realidade palpável de uma democracia em funcionamento. Impactado pelos acontecimentos de seu tempo, tornou-se um estudante apaixonado e participante ativo da política liberal, passando a dedicar sua vida e carreira de escritor e político para acabar com o despotismo na França e levar o país a uma nova era democrática.

Olivier Zunz, um dos maiores especialistas em Tocqueville, observa as tentativas desse grande pensador de aplicar as lições de sua obra clássica A democracia na América na política francesa, além de mostrar como os Estados Unidos, e não só a França, ocuparam um lugar central no pensamento e nas ações de Tocqueville ao longo de sua trajetória. No final da vida, com seu país de origem sob o jugo de um regime autoritário e os Estados Unidos divididos pela escravidão, Tocqueville temia que o experimento democrático estivesse prestes a falhar. No entanto, sua paixão pela democracia nunca perdeu o vigor. Faleceu dois anos após o início da Guerra Civil nos Estados Unidos, a tempo de testemunhar uma ação de profunda transformação da sociedade americana.

O homem que compreendeu a democracia é uma biografia completa e inovadora do aristocrata francês que se tornou um dos maiores defensores da democracia. Ao pesquisar a combinação única entre a filosofia e a ação política de Tocqueville, em fontes francesas e americanas, Zunz oferece um retrato cheio de nuances do homem que lutou incansavelmente a favor do único sistema que acreditava poder proporcionar tanto liberdade quanto igualdade.

RESENHA

O livro é uma biografia fascinante que nos leva a um mergulho profundo na vida e no pensamento de um dos mais importantes pensadores políticos da história.

Em “O Homem que Entendeu a Democracia”, Olivier Zunz oferece uma série de detalhes como esses, não deixando escapar nenhum deles. Essa biografia nos apresenta, por vezes com apenas alguns traços reveladores, o jovem aristocrata ambicioso, mas deprimido, cuja extensa família foi massacrada pela guilhotina. Também nos mostra o escritor romântico que trabalhava incansavelmente para dar às suas frases uma simplicidade declamatória, buscando transmitir a verdade revelada através de um único exemplo. Além disso, revela o político liberal que passou seus melhores anos tentando equilibrar o controle sobre a reação monarquista e a revolução socialista, embora muitas vezes tenha sido suspeito de simpatizar com a primeira e nunca com a segunda. Embora Zunz admire claramente Tocqueville, ele não evita abordar o imperialismo apaixonado do próprio Tocqueville, que chegou ao ponto de apoiar a guerra de terra arrasada na Argélia. O autor não se esquiva de abordar essa faceta controversa do pensamento de Tocqueville, oferecendo uma análise crítica e equilibrada de suas ideias e ações.

Essa biografia é uma leitura essencial para aqueles que desejam compreender a vida e o legado de Alexis de Tocqueville. Zunz nos proporciona uma visão abrangente e perspicaz desse importante pensador político, destacando tanto suas contribuições significativas para a teoria democrática quanto suas contradições e complexidades. Tocqueville, conhecido por seu trabalho seminal “A Democracia na América”, é retratado de maneira magistral por Zunz, que apresenta uma pesquisa meticulosa e uma narrativa envolvente. O autor nos transporta para a França do século XIX, onde De Tocqueville nasceu e viveu em meio a uma época de grandes transformações sociais e políticas.

A verdadeira essência da biografia, apesar de todas as suas vinhetas reveladoras e contexto histórico, é o pensamento de Tocqueville, acima de tudo, expresso em sua obra "Democracia na América". Tocqueville foi capaz de compreender profundamente a natureza da democracia através de uma combinação de conversas com advogados eruditos e políticos aristocráticos em quem ele confiava, suas preocupações com a política tumultuada de seu país de origem e seu brilhante senso de intuição como psicólogo político. Sua interpretação dos Estados Unidos como uma profecia da vida democrática foi moldada por essas influências e experiências. Tocqueville foi capaz de enxergar além das aparências superficiais e capturar a essência da democracia em sua análise. Ele compreendeu que a democracia não se limitava apenas ao sistema político, mas também abrangia aspectos sociais, culturais e econômicos.

Tocqueville começou a desenvolver seu pensamento antes mesmo de ter um amplo conhecimento sobre o assunto. Ele possuía uma capacidade única de pensar de forma crítica e inovadora, o que moldou sua curta, porém intensa, vida de trabalho como político e intelectual.Zunz explora a formação intelectual de Tocqueville, desde sua educação aristocrática até sua experiência como magistrado e político. O autor nos mostra como as viagens de Tocqueville pelos Estados Unidos influenciaram profundamente seu pensamento, despertando nele uma compreensão única sobre a natureza da democracia e suas implicações para a liberdade e a igualdade. Além disso, o livro examina o contexto histórico em que De Tocqueville viveu, destacando os desafios enfrentados pela França pós-Revolução Francesa e as tensões entre a monarquia e a democracia emergente. Zunz nos mostra como esses eventos moldaram as ideias de Tocqueville e o levaram a se tornar um crítico perspicaz da sociedade e da política de sua época.

Nascido em 1805, Tocqueville cresceu em meio às memórias do período conhecido como o Terror. Sua família foi profundamente afetada pelos eventos da Revolução Francesa, com seus avós, tia, tio e bisavô sendo decapitados em 1794. Seus pais também foram presos e aguardaram a execução, mas sobreviveram devido à queda de Robespierre e ao fim das execuções. Essas experiências deixaram uma marca indelével em Tocqueville, mesmo com a riqueza e conexões de sua família, ele sempre se sentiu politicamente inseguro. Durante as décadas turbulentas de luta dinástica, ele frequentemente se viu em uma posição precária. Tocqueville era um aristocrata que percebia, com razão, que a aristocracia estava sendo gradualmente eliminada e suspeitava que havia nascido em um mundo que não tinha mais lugar para ele. Essa sensação de pertencer a um mundo em extinção moldou sua visão política e sua busca por compreender a natureza da democracia.

Tocqueville acreditava que a política democrática tendia ao fracasso porque a liberdade oficial de pensamento, como a liberdade de expressão, não resultava em liberdade real, mas sim em um novo tipo de conformismo e união de grupo. Ele observou que os americanos, embora teoricamente livres para expressarem suas opiniões, demonstravam menos independência de pensamento e liberdade de discussão do que as pessoas de outros países que ele conhecia. A autoconfiança tranquila dos cidadãos americanos sufocava a dissidência de forma tão eficiente que até mesmo um órgão de censura invejaria.  Tocqueville argumentava que, em uma democracia, a tirania não se manifestava diretamente no controle físico dos indivíduos, mas sim em sua influência sobre a mente das pessoas. Ele observou que um dissidente temia ser rejeitado e abandonado até mesmo por seus amigos, sendo rotulado como "impuro". Para Tocqueville, a tirania nas democracias se manifestava de forma sutil, afetando a alma das pessoas.

Ele também destacou que as democracias tendiam a oscilar entre explosões de energia radical e a estagnação causada pela ambição modesta, ansiedade e conformidade. Tocqueville via a democracia como um sistema complexo, cheio de contradições e desafios. Seus insights críticos sobre os efeitos da democracia na liberdade individual e na formação da opinião pública continuam sendo relevantes até os dias atuais. 

A observação de Tocqueville sobre as chamadas democracias serem frequentemente algo diferente é realmente reveladora e continua sendo verdadeira até hoje. Ele argumentou que essas democracias tendem a se estabilizar evitando a verdadeira democracia, criando suas próprias aristocracias e estabelecendo barreiras ideológicas contra a soberania popular. Essa evasão da democracia pode ser vista como algo a ser valorizado ou superado, dependendo da perspectiva. A capacidade de Tocqueville de enxergar além da fachada da democracia e identificar essas dinâmicas é um presente notável que ele nos deixou ao longo de quase dois séculos. Sua análise crítica nos leva a questionar as estruturas políticas e sociais que se apresentam como democráticas, mas que, na realidade, podem estar longe de alcançar a verdadeira participação e igualdade de poder.

Essa perspectiva de Tocqueville nos convida a refletir sobre o estado atual das democracias ao redor do mundo e a buscar formas de superar as limitações e evasões que podem estar presentes. Sua visão continua sendo uma fonte valiosa de insights e debates sobre a natureza e o futuro da democracia.Uma das maiores conquistas deste livro é a maneira como Zunz ilustra a relevância contínua do pensamento de Tocqueville atualmente. Ele destaca como suas ideias sobre democracia, participação política e o papel da sociedade civil ainda ressoam em debates contemporâneos.

O AUTOR

Olivier Zunz é professor emérito de História na Universidade da Virgínia. Foi professor visitante no Collège de France e na École des Hautes Études en Sciences Sociales, entre outros. Recebeu fellowships e bolsas de pesquisa de instituições como Ford Foundation, Japan Foundation Center for Global Partnership, John Simon Guggenheim Memorial Foundation, National Endowment for the Humanities e National Science Foundation. É um dos maiores estudiosos de Alexis de Tocqueville, e organizou obras sobre o autor como The Tocqueville Reader: A Life in Letters and Politics, com Alan Kahan; Alexis de Tocqueville and Gustave de Beaumont in America: Their Friendship and Their Travels; e Recollections (1850-1851).

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo