[RESENHA #701] Emma, de Jane Austen

Publicado pela primeira vezem 1815, antes de iniciar a obra, Jane Austen escreveu: Vou escolher uma heroína que, exceto eu, ninguém vai gostar muito. Neste romance, temos a mais independente das protagonistas da autora, além das qualidades magistrais que transformariam seus livros em grandes clássicos da literatura universal: a leveza perspicaz da comédia de costumes, a voz narrativa única, a engrenagem primorosa do enredo, a comicidade dos diálogos e a observação arguta sobre o espaço da mulher em um mundo masculino.

RESENHA


A história se desenrola na pitoresca cidade fictícia britânica de Highbury, onde a protagonista, Emma, é retratada como uma mulher bonita, rica e inteligente, mas também intrometida, iludida e mimada. Sua personalidade não é exatamente agradável, e você pode não se encontrar torcendo por ela ao ler o romance “Emma”.

Depois de ter sucesso em encontrar um par perfeito para sua governanta, a Srta. Taylor, Emma se autodenomina casamenteira. Ela se aproxima da jovem Harriet Smith com a intenção de prepará-la para ser a esposa do Sr. Elton. Quando Harriet revela seus sentimentos por Robert, que também a ama, Emma persuade Harriet a acreditar que Robert está abaixo dela em termos de classe, riqueza e caráter. Sob a influência de Emma, Harriet recusa a proposta de casamento de Robert.

Emma está determinada a “melhorar” Harriet, moldando-a para se adequar à “alta sociedade”, sem perceber que ela mesma pode precisar de algum amadurecimento.

O amigo da família, Sr. Knightley, e o pai de Emma, Sr. Woodhouse, ficam indignados com a interferência de Emma no casamento de Elton e Harriet. O Sr. Knightley tinha uma alta opinião de Robert e achava que ele era adequado para Harriet. Emma só muda de ideia quando o Sr. Elton confessa estar apaixonado por ela, e não por Harriet.

O que é admirável em Austen é a maneira como ela retrata a sociedade sem expressar diretamente suas opiniões. Ela os apresenta aos leitores. Neste caso, isso é feito através da inteligência, arrogância e opiniões fortes de Emma. Ela é teimosa, desagradável e categoriza toda a cidade em caixas de classe bem definidas.

Somos introduzidos a Frank Churchill. Emma, que inicialmente se impressiona com ele, logo se cansa. Em vez disso, ela tenta emparelhar Harriet com ele, após o fracasso do casamento anterior de Harriet com o Sr. Elton. Emma também conhece Jane Fairfax, de quem não gosta, descrevendo-a como “fria” e “cautelosa”. Ela presume que Jane está com ciúmes dela por causa de Frank. Há uma confusão quando Emma presume que Harriet gosta de Frank, quando na verdade Harriet estava se referindo ao Sr. Knightley. Frank, que estava flertando com Emma o tempo todo, foge e se casa com Jane.

Todas essas reviravoltas acontecem de maneira lenta e compreensível. Só quando Harriet confessa seu amor pelo Sr. Knightley é que Emma percebe que também o ama. Knightley também ama Emma - um amor que ele declara depois que Emma lhe diz que nunca gostou realmente de Frank. Eles se casam. Harriet, embora inicialmente se sinta esquecida e traída, acaba se casando com Robert.

Eu entendo que os tempos eram diferentes em 1815, mas quando o Sr. Knightley confessou que gostava de Emma desde que ela tinha 13 anos, o que significa que o próprio Knightley tinha 29 anos na época – eu me senti desconfortável. Toda a narrativa cheirava mais a pedofilia do que a romantismo.

Se você já conhece o estilo de Austen e gosta de seu trabalho, “Emma” seria uma ótima leitura para você. Mas não deixe que este seja o livro que apresenta Jane Austen – comece com “Orgulho e Preconceito” ou “Razão e Sensibilidade”. A falta de progresso narrativo em “Emma” pode afastar novos leitores. “Emma” não é o melhor trabalho de Austen.

A heroína do romance, Emma, é desagradável por causa de sua discriminação de classe e tentativas fracassadas de encontros. Knightley muda isso quando a faz questionar se classe e status são os juízes certos de uma pessoa. Emma, embora inicialmente desagradável, cresce como uma heroína. Ela percebe que a classe não pode ser um prelúdio para o caráter. Como a própria Austen disse: “Vou escolher uma heroína de quem ninguém além de mim vai gostar”. Até que ponto Austen estava correta permanece discutível.

“Emma” de Jane Austen é uma obra que desafia as convenções literárias, apresentando uma heroína que não é imediatamente agradável ou fácil de torcer. Emma, a protagonista, é uma personagem complexa e multifacetada que é ao mesmo tempo atraente e repulsiva. Sua arrogância e intromissão nos assuntos dos outros são compensadas por sua inteligência e determinação.

A narrativa é rica em detalhes e Austen faz um excelente trabalho ao retratar a sociedade da época, com suas rígidas divisões de classe e expectativas sociais. No entanto, a falta de progresso narrativo pode ser frustrante para alguns leitores. A história se desenrola lentamente, com muitas reviravoltas e mal-entendidos que podem ser difíceis de acompanhar.

Austen usa Emma para criticar as normas sociais e a obsessão com o status e a classe. Emma começa o romance como uma personagem mimada e intrometida, mas ao longo da história, ela cresce e aprende a questionar suas próprias crenças e preconceitos. Este crescimento do personagem é um dos pontos fortes do romance.

No entanto, há aspectos do romance que são problemáticos. A confissão do Sr. Knightley de que ele gostava de Emma desde que ela tinha 13 anos é desconfortável e levanta questões sobre a dinâmica de poder em seu relacionamento.

Em resumo, “Emma” é uma leitura desafiadora que oferece uma visão perspicaz da sociedade do século XIX. Embora não seja o melhor trabalho de Austen, é uma adição valiosa à sua obra. Recomendaria este livro para leitores que já estão familiarizados com o estilo de Austen e apreciam sua sagacidade e crítica social. Para aqueles novos na obra de Austen, “Orgulho e Preconceito” ou “Razão e Sensibilidade” podem ser uma introdução mais acessível à sua escrita.

Outras resenhas de Jane Austen que talvez você queira ler:

Orgulho e Preconceito
Amor e Amizade
Sanditon
A abadia de Northanger
Razão e sensibilidade
Lady Susan
Mansfield Park
A história da Inglaterra
Os Watson
Persuasão


A AUTORA

Jane Austen nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Steventon, na Inglaterra. Teve pouco tempo de educação formal e terminou os estudos em casa. Começou a escrever textos literários por volta dos doze anos de idade. Mas, em vida, seus livros foram publicados de forma anônima, isto é, sem a identificação de sua autoria.


A romancista, que morreu em 18 de julho de 1817, em Winchester, escreveu obras que apresentam marcas de transição entre o Romantismo e o Realismo ingleses. Assim, suas histórias de amor possuem um tom irônico e fazem crítica social. Essas características também estão presentes em um de seus livros mais conhecidos, o romance Orgulho e preconceito.


Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo