[RESENHA #712] Os demônios, de Dostoiévski


Impressionado com o assassinato de um estudante por um grupo niilista, Dostoiévski concebeu este livro como um protesto contra os que queriam transplantar a realidade política e cultural da Europa ocidental para a Rússia. Apesar da intenção inicialmente panfletária, Os demônios é um romance magistral, à altura de Crime e castigo ou Os irmãos Karamázov.

RESENHA


Nesta nova tradução, o romance político de Dostoiévski sobre a invasão de ideias estranhas na Rússia do século XIX é revitalizado. As traduções anteriores de Larissa Volokhonsky e Richard Pevear de obras como Os Irmãos Karamazov, Crime e Castigo e Notas do Subterrâneo foram aclamadas por sua fidelidade e nuances ao estilo de Dostoiévski, e se tornaram as versões em inglês mais respeitadas. Agora eles enfrentaram um dos romances mais complexos e profundos de Dostoiévski. O título, que foi mal traduzido no passado como “Os Possuídos”, se refere aos demônios das ideias políticas e filosóficas que vieram do Ocidente para a Rússia: idealismo, racionalismo, empirismo, materialismo, utilitarismo, positivismo, socialismo, anarquismo, niilismo e, por trás de todos eles, ateísmo. Pevear explica na introdução: “São esses os demônios, portanto, ideias, essa legião de ismos que veio do Ocidente para a Rússia.'' Dostoiévski, inspirado pelo caos político de sua época, constrói uma história moral complexa em que os habitantes de uma cidade provinciana se tornam inimigos uns dos outros por causa de sua crença cega em suas ideias. Stepan Trofímovitch, um pensador amável que nunca põe em prática suas ideias liberais, cria um monstro em seu discípulo, Nikolai Vsevolodovich Stavrogin, que leva a sério os ensinamentos de seu mentor, juntando-se a um grupo de niilistas que usam a violência como meio de expressar suas ideias. Stavróguin planeja uma “corrupção sistemática da sociedade e de todos os seus princípios” para que, da destruição resultante, ele possa “levantar a bandeira da revolta”. Uma lógica assustadoramente semelhante à do stalinismo. A tradução de Volokhonsky e Pevear revela todo o humor sutil e o nacionalismo linguístico de Dostoiévski, e as notas abundantes são essenciais para entender a política russa do século XIX.


Demônios, de Fyodor Dostoiévski, é um romance que continua a ecoar no mundo atual, pois nos confronta com uma sinfonia melancólica de autoconhecimento. Os personagens do romance não são apenas representantes de ideologias ultrapassadas, mas expressam a essência do conflito humano.

O romance de Dostoiévski é uma crítica mordaz aos diversos “ismos” que dominam o pensamento moderno. Ele mostra como as ideias estrangeiras invadem a Rússia do século XIX e possuem as mentes das pessoas. No entanto, o romance não é apenas uma profecia política, mas uma obra de arte profunda e perturbadora.

Dostoiévski escreveu Demônios em resposta a um crime que abalou a Rússia em 1869. O romance narra a história de uma gangue de revolucionários que matam um de seus membros como um sacrifício. A trama é complexa e confusa, cheia de radicais de todas as tendências. Stiepan Trofímovitch, o liberal sonhador, vive em um mundo de fantasias sobre a fraternidade humana, chorando sobre garrafas de vinho. Seu filho, Pyotr, é um rebelde cínico que espalha boatos na casa do governador. Estudantes anônimos clamam por revolução e homens barbudos falam absurdos. Até os aristocratas da cidade se fingem de progressistas, apoiando os anarquistas. Todos esses personagens são movidos por uma enorme vaidade.

Demônios é um romance que explora as ideias que dominaram a Rússia do século XIX, muitas das quais podem parecer estranhas ao leitor ocidental. Chátov, que defende a identidade russa, veste-se com roupas tradicionais. A história se passa após a libertação dos servos, o que abre espaço para propostas políticas e sociais radicais. No entanto, os personagens não são simplesmente representantes de ideologias. Quando Kirillov diz que vai se matar porque “Deus não existe – eu sou Deus”, não sabemos se ele está louco ou não. Como em muitas obras de Dostoiévski, as vozes mais sensatas em Demônios estão à beira da loucura. O diálogo incessante entre elas cria uma polifonia caótica e genial.

Demônios é um romance fascinante e provocativo, que nos desafia a pensar sobre as consequências das ideias que abraçamos. Dostoiévski nos mostra como as ideias podem se tornar demônios que nos possuem e nos levam à violência e à destruição. Ao mesmo tempo, ele nos oferece uma visão da complexidade humana, que não se reduz a nenhuma fórmula ou sistema. Demônios é uma obra-prima da literatura mundial, que merece ser lida e relida.

O AUTOR
Fiódor Dostoiévski (1821-1881) foi um escritor russo autor de Os Irmãos Karamázov e Crime e Castigo, obras-primas da literatura universal. Seus romances abordam questões existenciais e temas ligados à humilhação, culpa, suicídio, loucura e estados patológicos do ser humano.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo