[RESENHA #949] Puta livro bom, de Jason Mott

Um romance profundamente honesto e que vai ao cerne do racismo e da violência policial.

Um autor dos Estados Unidos acaba de publicar seu primeiro livro, um tremendo sucesso, intitulado Puta livro bom. Durante a turnê de divulgação, em meio a entrevistas, aventuras amorosas e ressacas monumentais, ele conhece um garotinho de pele muito, muito preta que passa a segui-lo feito uma sombra. Esse Garoto reaparece ao longo de toda a viagem falando da própria vida e dos pais, além de um plano louco do pai e da mãe: ensiná-lo a ficar invisível para que se protegesse do destino que a cor da sua pele lhe reservava.

E é verdade que o escritor é o único capaz de vê-lo;mas, como ele tem uma condição médica que o impede de distinguir imaginação de realidade, o autor tem certeza de que o menino não passa de fruto da sua mente. Logo, entretanto, suas visões se tornam mais intensas, forçando-o a encarar um passado do qual sempre tentou escapar e uma verdade que busca a todo custo encontrar corpo e voz.

Comovente e intenso, divertido e trágico, Puta livro bom é um livro sobre família, o amor entre pais e filhos, fama e dinheiro, mas também é um livro sobre o significado de ser negro nos Estados Unidos, um país onde são constantes as notícias de pessoas negras assassinadas pela polícia. Escrito de forma brilhante, com personagens marcantes e uma narrativa única, este livro merece seu título.

RESENHA


Acho que aprender a amar a si mesmo em um país onde dizem que você é uma praga para a economia, que você não passa de um prisioneiro em formação, que sua vida pode ser tirada de você a qualquer momento e há não há nada que você possa fazer a respeito – aprender a amar a si mesmo no meio de tudo isso? isso é um maldito milagre.

O livro Puta livro bom é de fato um puta livro. Jason Mott conta sua história em versos delineados repleto de muita dor e tristeza. O personagem que não se identifica fala-nos em primeira pessoa sobre sua família e experiências de vida na infância. Você percebe que um livro vai doer quando ele narra sobre como os pais ajudavam o protagonista a se defender ou se importar menos com o racismo, tudo isso de forma à se tornar invisível. A partir dai, ele começa a sofrer com bullying e racismo na escola por consta de sua cor [recebendo até o apelido de fuligem] e tudo isso reverbera de forma negativa dentro de si. O sofrimento e a dor descrita pelo personagem é extremamente dolorido, a forma como ele narra de forma velada como se sentia diante das críticas é algo extremamente dolorido. Imagina só, observar a dor através de uma janela sem nada poder fazer, é dolorido para um leitor com um coração de manteiga [como o meu]. E pasme, tudo isso apenas no primeiro capítulo da obra.

Notamos que para que ele se esvazie dos conflitos e dos comentários ele cria uma válvula de escape: um amigo imaginário, que, ao que parece, foi o único que o fez entender toda beleza e importância cultural em sua pele e cor. A narrativa ganha força quando ele tem que enfrentar o luto pela primeira vez na vida, ali, naquele instante, ele entende que ser ele mesmo era algo mortal e perigoso. Por mais que sua relação com os pais seja descrita de forma bela e amorosa, notamos que há sempre em si um pensamento contrário, porém, toda essa ótica vai se desconstruindo a partir da ótica do amor, da família, da amizade e da autodescoberta. Essa é uma história sobre descobertas, e por mais que doloridas, elas são lindas, pois contam com a narrativa uma ótica confusa [as vezes], mas incrivelmente emocionante. 

A obra que se inicia quase que como uma autobiografia sobre a vida de um autor que escreve um romance de mesmo título da obra, mostra-se muito menos amorosa quando descobre-se as nuances do preconceito, da perda de identidade, do bullying e do racismo, mas ela se reacende a cada página lida.

Ao passo de que somos apresentados a história do autor que está desenvolvendo seu romance, conhecemos a história por trás da obra. O autor recebeu algumas dicas de que escrever sobre ser negro, não era tão interessante, uma vez que, as pessoas preferem os contos floreados, não fúnebres e tão palpáveis em relação à sofrimento e dor, e claro, paralelamente conhecemos o personagem Fuligem, que acaba se identificando com o apelido dado na escola enquanto ele percorre por todos os lados acompanhando de um amigo que está sempre por perto, um garotinho negro de dez anos que o ajudará nesta árdua tarefa de descobrir as belezas por trás da vida. Essa caminhada começa com a visão de que ele não poderia se confessar sobre polícia, perseguição e racismo com o menino, então, ele introduz temas de autoaceitação e amor, e assim, começa a amar.

Puta livro bom é um romance que explora as complexidades da identidade negra, da violência policial, da família e da amizade. O autor, que também é o narrador sem nome, nos leva a uma jornada por sua vida e por seu livro, que conta a história de Fuligem, um menino negro que sofre com o racismo e a morte de seu pai. O autor enfrenta as pressões do mercado editorial, que quer que ele escreva sobre temas mais leves e menos políticos, e as críticas de quem acha que ele não representa a condição negra. Ele também encontra um aliado inusitado em The Kid, um garoto negro de dez anos que o acompanha em sua turnê do livro e que o ajuda a se reconectar com sua própria história.

O livro é uma obra-prima de criatividade e sensibilidade, que mistura realidade e ficção, humor e drama, esperança e dor. O autor usa uma linguagem envolvente e poética, que nos faz mergulhar nas emoções e nos pensamentos dos personagens. Ele também cria um contraste entre as duas narrativas, a do autor e a de Fuligem, que se aproximam e se distanciam ao longo do livro, até se encontrarem em um final surpreendente e emocionante. O livro é uma reflexão sobre o que significa ser negro em um mundo que oprime e exclui, mas também sobre o que significa ser humano em um mundo que precisa de amor e compreensão. O livro é um convite à leitura, à reflexão e à transformação.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo