40 livros para compreender a palestina

Foto:  Moahmmed Abed / AFP /Brasil de fato

Nos últimos meses, mais de 30 mil palestinos foram mortos por ataques aéreos israelenses em Gaza. Outras 500 pessoas foram mortas pelo fogo do exército israelita e pela violência dos colonos na Cisjordânia. Dezenas de milhares de pessoas ficaram gravemente feridas e traumatizadas. 1,7 milhões foram deslocados.

Ao longo destas semanas de morte em massa e desumanização – para não falar dos 75 anos anteriores – um número incalculável de histórias palestinianas foi apagado.

Queríamos criar uma lista de livros que servisse como um lembrete das preciosas histórias individuais e humanas do povo palestino, bem como um recurso perene para todos os leitores interessados ​​em se envolver com a rica e vibrante tradição da literatura palestina – tanto em neste momento horrível e, esperemos, muito depois de o actual ataque a Gaza ter terminado.

Para o fazer, contactámos várias dezenas de autores palestinianos e palestinianos-americanos, bem como vários outros escritores cujo trabalho e defesa se centraram na Palestina, para lhes pedir que recomendassem as suas obras favoritas da literatura palestiniana. Esperamos que a lista de títulos abaixo sirva como uma introdução esclarecedora a esse cânone.

–Dan Sheehan

*

Homens ao sol

Homens ao Sol , de Ghassan Kanafani (trad. Hilary Kilpatrick)

Encontrei este pequeno volume de contos na livraria da American University Cairo quando tinha 22 anos. Nunca tinha ouvido falar de Kanafani. Sempre que alguém me pergunta sobre o poder transformador da literatura, volto ao momento da leitura desta coleção. “Men in The Sun”, a história titular de uma jornada mortal de migrantes palestinos para o Kuwait na traseira de um caminhão-tanque de água, e “Land of Sad Oranges”, articularam minha herança de uma forma que eu nunca havia experimentado antes. Para explicar: meu pai é de Jaffa, na Palestina, e Kanafani é do Acre. Kanafani era dois anos mais velho. As suas famílias foram expulsas em 1948 e, juntamente com quase um milhão de outros palestinianos, ambos se tornaram refugiados quando crianças. Certa vez, meu pai viu Kanafani, então um adolescente inédito, num cinema em Damasco. Ele era, segundo meu pai, sério para sua idade e extremamente interessado em escrever, mas não era tão bonito nem tão alto quanto meu pai. Meu pai, que na época passava por uma fase de descontentamento, tinha inveja do caderno de Kanafani, de sua dedicação e de sua bela caligrafia.

Trinta anos depois, quando era um adolescente insatisfeito no Kuwait, a literatura sempre foi meu portal de fuga. Minhas preferências eram pela literatura francesa e russa do século XIX, principalmente Emile Zola, Ivan Turgenev e Fyodor Dostoyevsky. Para mim, a literatura era ótima, mas também era europeia, masculina e do passado. O que Kanafani fez foi comunicar a pulsação emocional imediata do trauma pessoal e político, do amor e dos laços familiares que permeiam as nossas vidas, ao mesmo tempo que criava um sentimento colectivo de resistência no seu trabalho. Ele foi assassinado em 1972 por um carro-bomba em Beirute. Sua sobrinha morreu com ele. Alguns dos seus trabalhos mais experimentais são menos poderosos, na minha opinião, mas este volume colocou-me na jornada da minha vida, da qual por vezes gostaria de poder sair, mas não consigo.

–Selma Dabbagh

Uma coleção de contos sobre a situação dos palestinos deslocados. A história titular, e a mais longa da coleção, segue três homens em seu caminho para o Kuwait. Há também histórias mais curtas que ilustram algum aspecto das dificuldades do deslocamento e da desapropriação. A tradução do original árabe faz justiça à bela prosa de Kanafani, e a introdução é extremamente valiosa para leitores não familiarizados com o contexto das histórias.

–Nada Elia

O Pequeno Jornalista

O Pequeno Jornalista  de Naomi Shihab Nye

Todos os dias, nas últimas semanas, tenho lido poesia de escritores palestinos e palestinos-americanos. Recorro a esses poemas em busca de consolo de manhã cedo, no meu escritório no trabalho, na cama à noite. Li versos que celebram a riqueza da história e da cultura palestina, e versos que exigem justiça e liberdade para a Palestina. A colecção ferozmente política de Naomi Shihab Nye, The Tiny Journalist, capta a vida quotidiana sob a ocupação israelita: o encarceramento ilegal de palestinianos; os terríveis ataques aéreos; a enorme barreira que atravessa o território palestiniano. O poema “ISRAELIS LET BULLDOZERS GRIND TO HALT” dramatiza o uso indevido deliberado da linguagem nas reportagens americanas sobre o conflito árabe-israelense, linguagem “cobrindo a dor/grande curativo/mascarando a ferida” dos palestinos.

Há poemas comoventes sobre Gaza, como um contado do ponto de vista da lua, que olha para a estreita faixa de terra e não vê “nenhuma razão para as tristezas que os humanos causam” e não gosta “da confusão das explosões de bombas”. Há outras sobre Jerusalém, “a cidade de todos”. Esses poemas inabaláveis ​​não são contados pelas vozes dos derrotados. São vozes que, apesar da sua dor, falam contra a ocupação e a violência israelitas. São vozes humanas que se recusam a ser silenciadas.

–Ghassan Zeineddine

Memória para o Esquecimento

Memória para o Esquecimento, de Mahmoud Darwish (trad. Ibrahim Muhawi)

Este livro de memórias em prosa testemunha a devastação do cerco israelense a Beirute em 1982, ao mesmo tempo que interroga o papel da memória. Neste belo livro, Darwish pergunta: qual é o papel do poeta em tempos de guerra? Como salvamos a alma sob o som ensurdecedor dos foguetes? Darwish escreve numa passagem: “Por que estou procurando o papel quando os edifícios estão caindo em todas as direções? Isso não é suficiente?

–Hannah Lilith Assadi

Sua prosa poética reflete a sangrenta invasão israelense de Beirute em 1982. A precariedade surreal da vida sitiada e bombardeada é capturada numa teia onírica de ideias, memórias e observações do magistral poeta laureado da Palestina.

–Ismail Khalidi

salinas

Casas de Sal por Hala Alyan

O romance de estreia de Hala Alyan, Salt Houses , é um remédio lindo e comovente para a desumanização desenfreada dos palestinos. Contando a história de uma única família ao longo de três gerações, Alyan mapeia suas vidas, deslocamentos e migrações da Palestina para o Kuwait e da América para a França. É um lembrete comovente da forma como a Nakba e o colonialismo moldaram de forma mais ampla as histórias, o(s) presente(s) e o futuro do povo palestiniano. Simplesmente uma leitura obrigatória.

–Nicki Kattoura

Leia um trecho de Salt Houses aqui

Caminhadas Palestinas

Caminhadas Palestinas: Incursões em uma Paisagem Desaparecida  por Raja Shehadeh

Porque é claro que você quer gritar. Você quer gritar. Mas, como escritor, você sabe que a seção de gritos/gritos da livraria está lotada, que nenhum dos livros é particularmente interessante e que os clientes nunca visitam essa seção. E assim, nas Caminhadas Palestinas , Raja Shehadeh não grita. Em vez disso, ele entrega uma carta de amor a um lugar de beleza natural que está desaparecendo sob seus pés. Ele relata seis sarhat diferentes – semelhantes a uma caminhada, mas mais deliciosamente sem objetivo – que realizou ao longo dos últimos vinte e seis anos nas Terras Altas Centrais, perto da sua casa em Ramallah, onde a flora e a fauna são cada vez mais substituídas por postos de controlo e armas. Sem gritos, sem gritos, apenas amor, perda e saudade: por um lar, pela natureza, por uma vida normal neste lugar de beleza surpreendente que foi devastado por um rio de lágrimas cada vez maior. É o suficiente para fazer você querer gritar.

–Shalom Auslander

Freud e o Não-Europeu

Freud e o Não-Europeu de Edward Said 

Numa altura em que as afinidades tribais tendem a solidificar-se e a endurecer-se, esta rica e surpreendente palestra de Edward Said lembra-nos que não existe identidade pura e que a identidade é inerentemente misturada e não resolvida. Aplicando esta compreensão não excludente da identidade à política de hoje, Said propõe uma saída do duelo e sugere um futuro possível onde judeus e palestinos sejam partes uns dos outros, em vez de antagonistas.

–Yasmin Zaher

Passagem para a Praça

Bab al-Saha ou Passagem para a Praça de Sahar Khalifeh (trad. Sawad Hussain)

Eu recomendo Bab al-Saha ou The Passage to the Plaza , de Sahar Khalifeh, que se passa na cidade de Nablus durante a Intifada de 1987. Este romance é um retrato vivo, rico, claro e nada sentimental da situação, da luta e a força das mulheres palestinianas que vivem sob uma ocupação militar violenta.

Também recomendo a todos que leiam a “ Carta de Gaza ” de Ghassan Kanafani, escrita em 1956. Israel assassinou Kanafani em 1972 com um carro-bomba quando ele tinha apenas 36 anos e, ainda assim, durante sua curta vida ele produziu alguns dos mais vívidos e significativos escritos literários e de não ficção sobre a experiência palestina.

–Isabella Hammad

Palestina +100

Palestina +100: Histórias de um século após a Nakba editado por Basma Ghayalini

O editor palestino-britânico desta coleção futurista pediu a 12 escritores que imaginassem o mundo cem anos depois do Nabka de 1948, ou catástrofe que se abateu sobre o povo palestino. Em 2023, ainda não sabemos o que o futuro pressagia, mas o momento presente continua a servir mais da mesma opressão por parte dos senhores supremos da Palestina.

–Jordan Elgrably

Leia uma história da Palestina +100 aqui

Portão do Sol

Portão do Sol, de Elias Khoury (trad. Humphrey Davies)

Elias Khoury é libanês, mas o seu melhor romance, Gate of the Sun , de 1998 , baseia-se em anos de entrevistas com refugiados palestinos. É um épico estonteante e magistral sobre a Nakba, o exílio, a memória e a perda. Na sua essência está um massacre – o que ocorreu em 1982 nos campos de Sabra e Shatila, em Beirute – mas também um refúgio, uma caverna onde um combatente da resistência encontra secretamente a sua amada, um espaço escondido de amor e ternura que está tanto dentro como fora de história, e sem a qual a história não pode ser compreendida.

–Ben Ehrenreich

Isso mudou completamente minha perspectiva enquanto eu escrevia A Nova Terra . O foco são os refugiados palestinos e os combatentes da resistência – fedayeen – no Líbano na época do massacre de Sabra e Shatila em 1982, mas abre uma história que remonta à Nakba de 1948 e às vidas dos palestinos na Galiléia muitas gerações antes disso. .

–Jess Row

Nasceu Palestino, Nasceu Negro

Nascido Palestino, Nascido Negro por Suheir Hammad

A primeira coleção do poeta brilhante e inovador Suheir Hammad. Desde que entrou em cena no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, ela tem sido uma pioneira para jovens poetas palestinos e árabes americanos e artistas da palavra falada. O trabalho de Suheir é fogo, ao mesmo tempo profundamente palestino e perfeitamente Brooklyn.

Eu diria que, além de ser uma excelente poetisa por direito próprio, Hammad também prenunciou o momento interseccional de hoje, articulando novamente para os imigrantes de segunda geração (e além) a solidariedade palestino-negra que eles sentiam em seus ossos, mas que - apesar de ter existido anteriormente - nunca havia sido conjurado em uma forma tão hibridizada organicamente.

–Ismail Khalidi

Terra Oca

Terra Oca: A Arquitetura de Ocupação de Israel  por Eyal Weizman

Este livro de Eyal Weizman, um arquiteto israelense que leciona na Goldsmiths em Londres e é o fundador da Arquitetura Forense, é indispensável para a compreensão da violência espacial da ocupação israelense. Dos postos de controlo e colonatos ilegais ao muro do apartheid e ao cerco a Gaza, ele destaca a forma como a terra palestiniana foi transformada numa zona militarizada que controla todas as facetas da vida palestiniana. A leitura deste livro exemplifica verdadeiramente como a violência diária, lenta e invisibilizada que os palestinianos enfrentam é de natureza estrutural e literalmente incorporada na arquitectura da ocupação.

–Nicki Kattoura

O Livro do Desaparecimento

O Livro do Desaparecimento de Ibtisam Azem (trad. Sinan Antoon)

Quando li pela primeira vez O Livro do Desaparecimento, de Ibtisam Azem, em 2014, fiquei assombrado por dias. A premissa do romance é o desaparecimento em massa dos palestinianos – tragicamente, uma noção que não é tão absurda quando testemunhamos a limpeza étnica de Gaza em tempo real. Mas isto, juntamente com setenta e cinco anos de deslocamento e morte registados, não diminui o efeito profundo desta obra contemporânea. Azem examina a herança e o fardo da memória e quão profundamente ela está enraizada na nossa psique coletiva palestina.

Um personagem principal chamado Alaa – em conversa com a sua falecida avó, uma sobrevivente da Nakba – lamenta: “Acredito firmemente agora que todos aqueles que permaneceram na Palestina estão loucos. Caso contrário, como seriam capazes de guardar a memória daqueles que sobreviveram e daqueles que não sobreviveram? Como eles podem conviver com essa dor na memória dos sobreviventes?” Intercalada com a história de Alaa está Ariel, seu amigo israelense, que deve encontrar maneiras de reconciliar o súbito desaparecimento de seus vizinhos palestinos. Isto levanta uma questão difícil, mas inevitável: como poderá a complacência transformar-se em cumplicidade? Por sua narrativa impressionante de traumas geracionais e apagamento sistemático, o romance de Azem é uma leitura essencial. Agora mais do que nunca.

–Sahar Mustafah

Álbum Vida em um Country

Álbum Life in a Country de Nathalie Handal

A facilidade de Nathalie Handal com a linguagem é lendária. Ela é fluente em árabe, francês, italiano, espanhol e inglês, e sua poesia tem um toque de música rara; como se os instrumentos nativos de cada um dos países onde essas línguas são faladas se unissem para criar uma única sinfonia para o mundo. É o mundo que ela habita no Álbum Life in a Country , uma coleção que aborda todos os nossos fervores humanos à medida que são mantidos vivos além das fronteiras: nossa cidadania, nossas identidades de base que abrangem as nações, nosso desejo uns pelos outros, por pertencer, e pela liberdade.

O que é nação e o que é identidade quando somos, acima de tudo, quem nos criou e quem e o que amamos? Teju Cole escreveu, sobre uma obra anterior ( The Republics ) que seus poemas são "cheios de duras verdades, de coisas vistas in extremis, e ainda assim não nos deixam órfãos". Numa época em que tantos estão despertando para a compreensão de que a mudança não pode ocorrer sem o reconhecimento da nossa realidade presente, e quando tantos de nós também sentimos um desespero selvagem, os poemas de Handal são ao mesmo tempo um cadinho e um bálsamo.

–Ru Freeman

Leia um poema do álbum Life in a Country aqui

Fala pássaro, fala de novo capa

Fale pássaro, fale novamente: contos populares árabes palestinos

Uma coleção de contos populares palestinos que também é um rico compêndio de detalhes sobre a vida e a cultura tradicional palestina pré-1948. Neste momento em que mentiras sionistas sobre a inexistência da Palestina e dos palestinos estão por toda parte na mídia, este trabalho de antropologia e folclore é mais importante do que nunca.

–Jess Row

Adania Shibli, trad.  Elisabeth Jaquette, Detalhe Menor;  design da capa por Oliver Munday (New Directions, maio)

Pequeno detalhe de Adania Shibli (trad. Elisabeth Jaquette)

A romancista kuwaitiana Layla AlAmmar publicou uma resenha elogiosa da tradução para o inglês do romance de Shibli em 2020 e, mesmo três anos depois, este pequeno volume continua a acumular elogios e prêmios, justamente merecidos.

–Jordan Elgrably

Leia um trecho de Minor Detail aqui

Veludo Huzama Habayeb

Veludo de Huzama Habayeb (trad. Kay Heikkinen)

Velvet é a história de uma vida. Hawwa, a personagem central do romance, vive num campo de refugiados na Jordânia e, através de uma imensa capacidade de detalhes sensoriais e emocionais, Habayeb convida o leitor a conhecer os contornos da vida quotidiana de Hawwa, as gentilezas e crueldades que de uma forma ou de outra perturbam isto. Este é um livro profundamente humano, preocupado com o funcionamento muitas vezes perigoso da necessidade.

Não é particularmente político de forma evidente, mas é profundamente político. Neste momento de genocídio total, quando tantas das pessoas mais poderosas do planeta parecem mais do que felizes em aplaudir o massacre em massa, o próprio acto de retratar aqueles que estão na extremidade receptora de uma barbárie como a humana, como feita de vida, como capaz de desejo, alegria e resiliência, infelizmente ainda é uma coisa radical. Mesmo que não fosse, Velvet ainda seria uma obra-prima.

–Omar El Akkad

Arabescos de Anton Shammas

Arabescos de Anton Shammas (trad. Vivian Eden)

Publicado originalmente em hebraico em 1986, Shammas traz a história de sua família e de sua aldeia na Galiléia para a língua hebraica. Escolhido pelo The New York Times como um dos melhores livros de 1988, Arabescos continua a ser um conto palestino intrincado e poético que, através da revelação de segredos de família, une as trajetórias de vários personagens palestinos. Traduzido para vários idiomas (mas ainda não traduzido para o árabe), Arabescos é uma obra-prima única que – como atesta a última edição publicada pela New York Review of Books – continua a pertencer ao cânone da literatura mundial.

–Maurice Ebileni

Leia um trecho de Arabescos aqui

O manto do mar e outras histórias de Nayrouz Qarmout

O manto do mar e outras histórias de Nayrouz Qarmout

O que mais aprecio em The Sea Cloak and Other Stories é a forma como nos apresenta todo o espectro da vida em Gaza, arrastando-nos pela mão para sentirmos por nós próprios o bater do coração do enclave. Ler essas histórias é como passar um dia passando de uma casa graciosa para outra, sendo ordenado a descansar um pouco e recebendo intermináveis ​​xícaras de chá enquanto as histórias cotidianas nos são contadas pelas famílias agitadas que encontramos. Graças ao extraordinário detalhe sensorial da narrativa de Qarmout, vivenciamos a complexidade política da vida na Strip, mas também vivenciamos a amizade e o romance, a paternidade e a infância, num contexto tão colorido pelo conflito.

Em “Caneta e Caderno”, lemos sobre os jovens irmãos que têm que trabalhar para sobreviver depois que seu pai leva um tiro na espinha – apenas uma das histórias de sobrevivência na “maior prisão ao ar livre do mundo”. Ainda assim, nada é mais assustador do que os constantes lembretes da fragilidade da existência. Na história que dá título ao livro, “The Sea Cloak”, uma jovem é quase arrastada para a morte pelas águas escuras, e o seu vestido preto esvoaçante é uma metáfora para a miríade de fardos impostos aos palestinos, fardos que ameaçam sufocá-los. “Talvez eu quisesse morrer”, ela pensa em voz alta para seu salvador, sua voz ecoando ainda mais assustadoramente hoje.

–Nashwa Nasreldin

Hinos e escrúpulos

“ Vingança ” de Taha Muhammad Ali (trad. Peter Cole)

É difícil pensar em uma obra literária que fale mais sobre este momento do que o poema “Vingança” de Taha Muhammad Ali. Foi escrito tarde demais para ser incluído na coleção final de poemas de Taha, So What: New and Selected Poems, 1971-2005 , traduzido por Peter Cole, Yahya Hijazi e Gabriel Levin. Mas pode ser encontrado em Hymns & Qualms: New and Selected Poems and Translations , uma bela coleção de poemas e traduções do amigo próximo e tradutor de Taha, Peter Cole:

Vingança

Às vezes... eu gostaria
de poder encontrar em um duelo
o homem que matou meu pai
e arrasou nossa casa,
expulsando-me
para
um país estreito.
E se ele me matasse,
eu finalmente descansaria,
e se estivesse pronto...
eu me vingaria!

[…]

Mas se ele estivesse
sozinho -
cortado como um galho de uma árvore -
sem mãe ou pai,
sem irmão nem irmã,
sem esposa, sem filhos
e sem parentes ou vizinhos ou amigos,
colegas ou companheiros ,
então eu não acrescentaria nada à sua dor
naquela solidão -
nem o tormento da morte,
nem a tristeza da morte.
Em vez disso, eu me contentaria
em ignorá-lo quando passasse por ele
na rua — pois
me convenci
de que não prestar atenção nele
era em si uma espécie de vingança.

–Nathan Thrall

A vida secreta de Saeed, o Pessoptimista

A Vida Secreta de Saeed, o Pessoptimista, de Emile Habibi (trad. Salma Khadra Jayyusi e Trevor Le Gassick)

De um dos grandes escritores palestinianos-israelenses, esta é uma das peças fundamentais de ficção para compreender a (sur)realidade enlouquecedora dos cidadãos palestinos de 2ª ou 3ª classe de Israel que navegam em escolhas de vida impossíveis num país construído sobre os seus próprios, mas não para eles.

–Ismail Khalidi

parisiense

O Parisiense de Isabella Hammad

O romance de estreia do jovem britânico-palestino fornece um relato panorâmico da vida palestina durante grande parte do século XX, com passagens por Montpellier, Paris e Palestina.

–Jordan Elgrably

Leia um trecho do The Parisian aqui

Palestina como metáfora

Palestina como metáfora de Mahmoud Darwish (trad. Amira El-Zein e Carolyn Forché)

É impossível escolher apenas uma obra de Darwish, mas Palestina como Metáfora serve de porta de entrada para todas elas. O livro é uma série de longas entrevistas com Darwish: conversas com um poeta libanês, um crítico literário sírio, três escritores palestinos e um jornalista israelense. Cada um ocorreu em uma cidade diferente e cada discussão contém universos: teoria política, história, memórias, crítica e poesia – bem como a história pessoal de Darwish e o relacionamento com seus leitores.

–M. Lince Qualey

Eles se atrevem a falar

Eles ousam falar: Pessoas e instituições confrontam o lobby de Israel por Paul Findley

Como autor palestiniano-americano, recomendo o livro de 1985 do  antigo representante dos EUA Paul Findley , They Dare to Speak Out: People and Institutions Confront Israel's Lobby . Não conheço pessoalmente o Sr. Findley e não sou um político, mas sou um autor que cresceu na Palestina sob a ocupação israelense (sobre a qual escrevi duas memórias) e experimentei os efeitos que grupos pró-Israel em os EUA tiveram sobre as vozes palestinas. Tenho visto esforços para dissuadir ou impedir que histórias palestinianas cheguem aos leitores, bem como a criação de grupos de observação dedicados nos campi dos EUA para proteger contra qualquer educação que inclua perspectivas palestinianas. Eu poderia escrever um livro de memórias inteiro sobre essas experiências em minha própria vida. O que me inspira diariamente, no entanto, apesar da tentativa de apagar as nossas histórias, são os muitos palestinos, e muitos outros semelhantes, que ousam falar com integridade sobre a Palestina, e que trabalham para curar a voz colectiva da humanidade através das suas palavras. .

–Ibtisam Barakat

A beleza do seu rosto

A beleza do seu rosto por Sahar Mustafah

Relata uma história americana de imigrantes palestinos nos subúrbios de Chicago e entrou na lista dos 100 livros notáveis ​​do New York Times para 2020.

–Jordan Elgrably

Kaan e suas irmãs

Kaan e suas irmãs por Lena Khalaf Tuffaha

Este livro é um louvor às mulheres das nossas comunidades árabes que ensinam a vida, através da língua, da literatura e da canção, apesar das catástrofes impossíveis que constituem a vida palestina. “Repetição é um Nakba” é uma das falas deste livro que está ressoando na minha cabeça sem parar. Através de poemas multilingues e formalmente inventivos, Tuffaha não só escreveu um livro que fala do nosso momento, mas também nos transporta para um futuro melhor e mais amoroso na e para a linguagem.

–George Abraão

Sharon e minha sogra

Sharon e minha sogra por Suad Amiry

“A dor ao escrever pode ser hilária”, disse-me certa vez Geoff Dyer. Sharon e minha sogra, de Suad Amiry, demonstra exatamente isso. O livro é uma série de anotações de diário e correspondências que detalham os absurdos que acompanham a vida sob ocupação militar, o testemunho de duas intifadas e a sobrevivência a um toque de recolher de 42 dias com o marido e a mãe dele. Amiry traz leveza às lutas familiares da vida diária dos palestinos, justapondo-as à tensão universal das sogras. No processo, ela oferece alívio coletivo da miséria. Às vezes, quando a vida é tão brutal, o melhor que você pode fazer é encontrar maneiras de rir dela.

–Zaina Arafat

Wild-Thorns-cover_final

Wild Thorns de Sahar Khalifeh (trad. Trevor LeGassick e Elizabeth Fernea)

Este é um romance clássico e o primeiro a relatar a experiência palestiniana na Cisjordânia sob ocupação israelita.

– Jordan Elgravelmente

Na Presença da Ausência

Na Presença da Ausência, de Mahmoud Darwish (trad. Sinan Antoon)

A prosa de Mahmoud Darwish não é menos significativa que a sua poesia. Este livro, Na Presença da Ausência , é um épico palestino em prosa altamente poética. Darwish remonta à essência da questão palestiniana, que é a Nakba, ou a Catástrofe de 1948. O meu favorito dos livros de Darwish é o que a causa palestiniana poderia ser como literatura.

– Saleem Albeik

Cobrindo o Islã

Cobrindo o Islã: como a mídia e os especialistas determinam como vemos o resto do mundo por Edward Said

Como jornalista nos territórios ocupados da Palestina em 2005-2006, este livro não foi apenas uma ferramenta valiosa, mas um tratado filosófico sobre a forma como vemos as pessoas no Médio Oriente e como isso se configura na forma como as informamos. As batalhas não são apenas físicas, mas são guerras de linguagem, percepção e narrativa. Publicado originalmente em 1997, poderia ter sido escrito ontem. É claro que o livro de Said, Orientalismo , é a nave-mãe de como vemos os “outros”. Por que não comprar os dois?

–Kerri Arsenault

As Cruzadas através dos Olhos Árabes

As Cruzadas através dos Olhos Árabes, de Amin Maalouf

Esta é a minha escolha 'fora do campo esquerdo'. Embora a lista de títulos de não ficção que tratam mais especificamente da questão da Palestina seja longa e ilustre (de autores como Edward Said , Ilan Pappe , Noura Erakat , Avi Shlaim , Rashid Khalidi , Amira Haas e Saree Makdisi , para citar apenas alguns ), decidi adicionar um que provavelmente não aparecerá em outras listas. O clássico de Amin Maalouf é uma leitura obrigatória para compreender um dos períodos mais importantes da história da Palestina e que serviu como o precursor sangrento dos modernos projectos (e projecções) imperiais e coloniais europeus modernos na região, para não mencionar o raízes da islamofobia europeia, do anti-semitismo e do orientalismo – forças que ainda estão em jogo neste momento.

–Ismail Khalidi

Contra o mundo sem amor

Contra o mundo sem amor, de Susan Abulhawa

Vencedor do Arab American Book Award de 2021, do autor de Mornings in Jenin , Against the Loveless World foi tema de um extenso ensaio na The Markaz Review .

– Jordan Elgravelmente

Leia um trecho de Against the Loveless World aqui

Papel e bastão

Papel e bastão de Priscilla Wathington

O pequeno livro de Priscilla Wathington, Paper and Stick , foi publicado em 2021, mas esteve muito em minha mente no mês passado. Seus poemas são impressionantes ao retratar a vida das crianças palestinas na Palestina ocupada. Wathington é adequado para escrever sobre este assunto, como antigo editor-chefe da Defense for Children International: Palestine, uma organização independente dedicada a defender e promover os direitos das crianças palestinianas.

Os poemas, tanto no que dizem como no que apagam, documentam o terror sofrido pelas crianças na Cisjordânia e em Gaza: “o que aconteceu comigo foi uma boca | branco Kia parou / sobre |”, ela escreve em “White Kia”, “dentro de uma onda / uma roedura comum | nos sequestrou sem dizer uma palavra/ minhas costelas/ oração em sua cavidade.” Em “Prazo Estendido”, ela escreve sobre crianças que estão presas em prisões militares: “eles me amarraram naquela cadeira todas as vezes/15 vezes, mas eu nunca/só para descobrir que o músculo é madeira/ar que entrava na cela. ”

A voz de Wathington é clara e poderosa e, acima de tudo, lembra-nos as formas como a ocupação destrói e corrói a noção de uma infância normal.

–Susan Muaddi Darraj

tudo o que resta para você, Ghassan Kanafani

Tudo o que resta para você, de Ghassan Kanafani (trad. May Jayyusi e Jeremy Reed)

Qualquer coisa de Ghassan Kanafani, na verdade, mas um dos meus favoritos é All That's Left to You . Mais curto e talvez mais difícil do que suas novelas mais conhecidas, Retornando a Haifa e Homens ao Sol , ainda assim é impressionante e está ao mesmo tempo muito dentro de sua época e à frente de seu tempo. É particularmente inventivo na sua forma, com os seus narradores rotativos e um ritmo diferente das obras acima mencionadas. Abrangendo um período de aproximadamente 24 horas (mas com flashbacks), Kanafani pinta um retrato íntimo de um irmão e uma irmã em Gaza e a perigosa fuga do irmão pelo deserto, que é em si um personagem. Kanafani tem um jeito de partir seu coração.

–Ismail Khalidi

Palestina Um Guia

Palestina: Um Guia , ed. por Mariam Shahin 

É muito difícil encontrar um guia para a Palestina moderna, já que a maioria dos guias de Israel usa nomes diferentes para cidades palestinas e não inclui muitas outras coisas de natureza palestina, como estradas palestinas, história palestina, povo palestino e assim por diante. Embora o guia forneça referências históricas e culturais, se viajar nos territórios palestinos ocupados, você deve obter mapas atuais da Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas em Jerusalém Oriental que mostram bloqueios de estradas israelenses, pontos de controle e outros problemas que impedem você de se mover facilmente. em volta.

–Kerri Arsenault

Fora disso Selma Dabbagh

Fora disso por Selma Dabbagh

No romance de estreia da britânica-palestina Selma Dabbagh, Gaza está a ser bombardeada. Soa familiar? Esta é uma evocação perspicaz e poderosa da experiência palestiniana contemporânea.

– Jordan Elgravelmente

Coriolis

Coriolis por AD Lauren-Abunassar

Por mais fácil que seja elevar o nível verdadeiramente sem precedentes de cuidado e precisão com que este livro foi elaborado, um livro como Coriolis nunca deixa de devolver seus leitores ao corpo: “o corpo uma coisa / o corpo uma tensão / o corpo uma oração / de sua própria autoria”, onde “cada dia [é] um estudo / da imprópria do meu corpo”. Esses poemas seguraram meu corpo e viveram em meu corpo, durante e além dos dias de inverno que passei com este livro, dissolvendo assim as fronteiras entre o mundo e o poema, com a mesma facilidade com que dissolveram as fronteiras entre os estados de consciência. Depois de ler Coriolis , estou sabendo que serei um leitor dedicado de AD Lauren-Abunassar para o resto da vida.

– Jorge Abraão

Como Israel perdeu o lobby israelense

Como Israel perdeu: as quatro perguntas, de Richard Ben Cramer, e O lobby de Israel e a política externa dos EUA, de John J. Mearsheimer e Stephen M. Walt

O autor judeu Richard Ben Cramer oferece uma crítica impopular a Israel e ao sionismo e às suas políticas mais sombrias, fazendo quatro perguntas (em referência às “quatro perguntas” feitas na Páscoa): Porque é que nos preocupamos com Israel? Por que os palestinos não têm um Estado? O que é um estado judeu? Por que não há paz? As questões centram-se na afirmação de Cramer de que mais de quatro décadas de ocupação e subjugação de milhões de palestinianos e a colonização das suas terras corromperam as políticas e a sociedade israelitas e formaram um país militarizado que afirma um regime brutal, semelhante ao apartheid. Enquanto Cramer critica Israel, ele simultaneamente escreve uma carta de amor ao país, combinando o pessoal com o político. Outro livro controverso, mas sociável, é The Israel Lobby and US Foreign Policy, de John J. Mearsheimer e Stephen M. Walt. A questão deste livro é: porque é que os EUA apoiam Israel? E a resposta é tão complicada como a resposta a este livro, que é tão complicada como a situação que se desenrola hoje no Médio Oriente. Juntos, os dois livros fazem perguntas que não parecem ser feitas — ou respondidas — com frequência suficiente.

–Kerri Arsenault

Um mapa de casa

Um mapa de casa por Randa Jarrar

Gostaria de sugerir meu primeiro romance, A Map of Home . Eu o recomendo porque é o primeiro romance escrito em inglês sobre uma garota queer palestina que atinge a maioridade.

–Randa Jarrar

Sobre Literatura Sionista Ghassan Kanafani

Sobre Literatura Sionista por Ghassan Kanafani (trad. Mahmoud Najib)

Para nós que estamos no núcleo imperial (e muitos fora dele), os processos coloniais estão incorporados na estrutura da vida quotidiana. Incluído nisto, claro, está o sionismo – desde referências mundanas ao krav maga em sitcoms até à propaganda militar activa em filmes com orçamentos milionários, a arte sempre desempenhou um papel na separação dos palestinianos da sua terra natal. On Sionist Literature, de Ghassan Kanafani , traduzido do árabe por Mahmoud Najib, traça a proliferação da ideologia sionista em romances anteriores à nakba e como a canonização desses textos por instituições literárias e culturais contribui para a normalização. Kanafani teoriza sucintamente: “… o romance sionista posiciona-se cuidadosamente, desconsiderando metade dos fatos e exagerando o resto”. À medida que o motor de propaganda tenta fabricar consentimento no meio da violência insondável desencadeada sobre o povo de Gaza, Sobre a Literatura Sionista é um manual vital para desconstruir essas narrativas – criticar estas literaturas é uma questão de vida ou morte.

-Verão Farah

Hiba-Kamal-Abu-Nada

O oxigênio não é para os mortos, de Heba Abu Nada

A romancista, poetisa e educadora Heba Abu Nada ganhou o Prêmio Sharjah de Criatividade Árabe de 2017 por seu aclamado romance de estreia, Oxygen is Not for the Dead . Uma figura querida na comunidade literária palestiniana, Abu Nada, tanto na sua vida como na sua escrita, estava preocupada com a justiça, as revoltas da Primavera Árabe e as realidades da vida palestiniana sob ocupação. Heba Abu Nada foi morta , juntamente com o seu filho, num ataque aéreo israelita na sua casa, no sul de Gaza, em 20 de Outubro. Ela tinha apenas 32 anos. Nem  Oxygen is Not For the Dead nem nenhuma das coleções de poesia de Abu Nada foram ainda traduzidas para o inglês, mas esperamos que isso mude nos próximos meses e anos. Até então, aqui está um poema escrito por Abu Nada apenas dez dias antes de sua morte.

–Dan Sheehan

**

Leitura adicional

 

Não-ficção
I Saw Ramallah por Mourid Barghouti
Uma Jornada Montanhosa por Fadwa Tuqan
Em Busca de Fátima por Ghada Karmi
Palestina fala: narrativas de vida sob ocupação , ed. por Mateo Hoke e Cate Malek
Não preste atenção aos foguetes por Marcello Di Cintio
Palestina: uma introdução socialista , ed. por Sumaya Awad, Brian Bean
Palestina em Preto e Branco por Mohammad Sabaaneh
A Questão da Palestina por Edward Said
A Cozinha de Gaza: Um Palestino Jornada culinária , de Laila El-Haddad e Maggie Schmitt
Nos passos de minha mãe, de Mona Hajjar Halaby

Romances
A Luz Azul de Hussein Barghouthi 
Descrevendo o Passado de Ghassan Zaqtan
Você Existe Demais de Zaina Arafat
Exposição de Sayed Kashua
Enter Ghost de Isabella Hammad
Em Busca de Walid Masoud de Jabra Ibrahim Jabra
Segunda Pessoa Singular de Sayed Kashua
Mornings in Jenin de Susan Abulhawa
Haifa Fragments de Khulud Khamis
Meu primeiro e único amor de Sahar Khalifeh


Via

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo