A Polêmica Evolução da Religião Segundo Yuval Noah Harari: Uma Análise Crítica de "Sapiens"

Foto: Arte digital


APRESENTAÇÃO

O que possibilitou ao Homo sapiens subjugar as demais espécies? O que nos torna capazes das mais belas obras de arte, dos avanços científicos mais impensáveis e das mais horripilantes guerras? Nossa capacidade imaginativa. Somos a única espécie que acredita em coisas que não existem na natureza, como Estados, dinheiro e direitos humanos.

Partindo dessa ideia, Yuval Noah Harari, doutor em história pela Universidade de Oxford, aborda em Sapiens a história da humanidade sob uma perspectiva inovadora. Explica que o capitalismo é a mais bem-sucedida religião; que o imperialismo é o sistema político mais lucrativo; que nós, humanos modernos, embora sejamos muito mais poderosos que nossos ancestrais, provavelmente não somos mais felizes. Um relato eletrizante sobre a aventura de nossa extraordinária espécie – de primatas insignificantes a senhores do mundo.


RESENHA

Foto: Arte digital

Yuval Noah Harari, autor israelense com doutorado em história mundial pela Universidade de Oxford, é um ateu que conquistou a intelectualidade com seu livro "Sapiens". Considerado excepcionalmente bem escrito, acessível e agradável de ler, Harari se tornou um queridinho da crítica nos últimos anos. Seu livro tem como principal objetivo explicar, segundo o The New Yorker, a "História de Todos, Sempre", o que o torna irresistível para qualquer leitor.

Apesar de discordar de muitos pontos levantados por Harari, especialmente aqueles que retratam acontecimentos amplamente conhecidos da humanidade, como a transição de pequenas tribos de caçadores-coletores para civilizações baseadas na agricultura e, por fim, para a sociedade industrial global, é inegável que o livro vai muito além em sua abordagem.

Sapiens faz revelações intrigantes sobre nossa falta de conhecimento das origens evolutivas humanas. Por exemplo, Harari reconhece que não sabemos exatamente quando e onde os animais que podem ser classificados como Homo sapiens evoluíram pela primeira vez de algum tipo anterior de humanos, mas a maioria dos cientistas concorda que há 150 mil anos, a África Oriental era habitada por Sapiens que eram semelhantes a nós. Harari está correto, e essa falta de evidências sobre a origem evolutiva dos humanos modernos é compartilhada por muitos paleoantropólogos evolucionistas convencionais.

Outra observação sincera feita no livro (com a qual também concordo) é que não é fácil explicar as habilidades cognitivas especiais da humanidade - nosso cérebro grande, inteligente e energeticamente exigente. Isso se torna especialmente difícil de explicar se os principais imperativos que impulsionaram nossa evolução fossem apenas a sobrevivência e a reprodução na savana africana.

A conjectura de Harari de que "Não existem deuses" não é apenas uma simples opinião sobre sua visão de mundo, mas sim a base de muitas outras afirmações importantes em seu livro. Essa premissa naturalista está presente em todo o pensamento de Harari.

Para ele, a religião evoluiu naturalmente e não é resultado de um plano divino. Segundo ele, a religião surgiu a partir da criação de "mitos" que incentivaram a cooperação e a sobrevivência dos grupos humanos. Harari defende essa ideia com muitos argumentos ao longo de sua obra.

Ao considerarmos as crenças compartilhadas como facilitadoras da cooperação e sobrevivência, não estamos necessariamente explicando sua origem. Pode ser que esses "mitos" que promovem a união entre os seres humanos reflitam o propósito original de uma sociedade criada por um ser superior. Nesse sentido, a cooperação em larga escala pode ser vista não como um acaso da evolução, mas como uma intenção de um criador benevolente para uma sociedade coesa espiritualmente.

Portanto, os benefícios da cooperação humana podem não ser um acaso da evolução, mas sim um resultado planejado para uma sociedade que busca a espiritualidade compartilhada. Harari não foi o primeiro a sugerir que a cooperação e a seleção de grupos são responsáveis pela origem da religião. No entanto, será que esses relatos evolutivos realmente explicam totalmente o fenômeno? Não, de forma alguma.

A religião vai muito além da cooperação de grupos. Para muitas religiões, envolve oração, sacrifício e devoção pessoal a uma divindade. Como explicar esses aspectos em termos evolutivos? Quantos seguidores de uma religião morreram por suas crenças, tornando-se becos sem saída evolutivos? Por que os jovens do sexo masculino escolhem uma vida de celibato em mosteiros? Como ajudar a sociedade quando a religião exige sacrifícios de animais? E quando os ricos e pobres doam riquezas para construir templos em vez de casas, como isso promove o crescimento da sociedade? E o mandamento de um dia de descanso semanal para adorar a Deus? Como isso contribui para a cooperação e produtividade? E o líder religioso que ensinou seus seguidores a vender tudo, dar aos pobres e depois ser morto pelos inimigos para salvar seus seguidores?

Estas perguntas são feitas em termos evolutivos, buscando entender como esses comportamentos ajudam os crentes a sobreviver e se reproduzir. Embora possam existir benefícios tangenciais, no geral, esses comportamentos são difíceis de explicar do ponto de vista evolutivo. Portanto, as afirmações de Harari sobre a religião existir para construir a coesão do grupo são simplistas e insuficientes para explicar muitas características religiosas comuns.

Harari segue a narrativa evolutiva padrão sobre a origem da religião, argumentando que ela evoluiu para promover a cooperação e a coesão dos grupos. No entanto, sua história ignora a ideia de que a humanidade pode ter sido projetada para cooperar através de crenças religiosas compartilhadas. Além disso, sua visão naturalista exclui a possibilidade de revelação divina na evolução religiosa. Como monoteísta, mantenho um ceticismo saudável em relação a essas narrativas evolutivas, que muitas vezes deixam de considerar pontos importantes.

O fato é que a história do sapiens – o nome que Harari nos dá – é apenas uma pequena parte da história da humanidade... Será que toda a sua abrangência pode ser transmitida de uma só vez – 400 páginas? Na verdade; é mais fácil escrever uma breve história do tempo – todos os 14 mil milhões de anos – e Harari também dedica muitas páginas ao nosso presente e ao futuro possível, em vez do nosso passado. Mas as linhas profundas da história do sapiens são bastante incontroversas, e ele as expõe com entusiasmo. Harari aborda... assuntos vastos e intricados de uma forma que é – na melhor das hipóteses – envolvente e informativa… Muito do Sapiens é extremamente interessante e muitas vezes bem expresso. À medida que continuamos a ler, no entanto, as características atraentes do livro são dominadas pelo descuido, pelo exagero e pelo sensacionalismo. Há uma espécie de vandalismo nos julgamentos abrangentes de Harari, na sua imprudência sobre as conexões causais, nos seus alongamentos e recortes hiper-Procustos dos dados.

E se o mundo como um todo começar a seguir a visão de Harari à medida que ela se espalha através do Sapiens - as ideias de que Deus não é real, ou de que os direitos humanos e a “ordem imaginada” não têm base? Se Harari estiver correto, parece que algumas consequências negativas surgirão quando a verdade for revelada. No entanto, ele acredita que isso não acontecerá porque a “elite”, para manter a ordem na sociedade, “nunca admitirá que a ordem é imaginada” (p. 112).

O que faz com que a elite tenha tanta certeza de que a “ordem imaginada existe apenas nas nossas mentes” (p. 113), como ele diz? O que lhes dá acesso privilegiado à verdade que o resto de nós não tem? Harari não explora esse aspecto. Poderia a “ordem” da sociedade ser intencionalmente desenhada para promover a harmonia e coesão social, através de crenças compartilhadas e narrativas religiosas? Harari acredita que não, mas talvez esses benefícios - igualdade, direitos humanos e cooperação - sejam os propósitos originais da religião na sociedade.

Harari se considera parte da “elite” que conhece a verdade sobre a falta de base racional para a ordem social. Será que a visão de que a ordem é “imaginada” não é imposta para controlar o seu próprio comportamento? Por que apenas os crentes são manipulados por mentiras e não os acadêmicos ateus como ele?

Harari nunca considera essas possibilidades devido ao seu ponto de partida: “Não existem deuses no universo”. Essa crença parece ser a base de todo o seu livro, sem considerar outras opções seriamente.

O modelo simplista de Harari para a evolução da religião não leva em consideração a complexidade do fenômeno, o que pode resultar em poucos benefícios evolutivos aparentes. No entanto, isso não implica uma crítica à religião, já que muitos aspectos dela são valorizados. Por exemplo, qual benefício de sobrevivência pode ser encontrado naqueles que dedicam suas vidas à oração, ao sacrifício e à devoção total a uma divindade? Quantos seguidores de uma religião morreram por permanecerem fiéis às suas crenças diante da perseguição?

A religião proporciona coesão social, mas muitos de seus comportamentos representam "becos sem saída" do ponto de vista evolutivo. A complexidade da religião mostra que a vida humana vai além da simples sobrevivência e reprodução, desafiando a ideia de que todos os comportamentos devem ser explicados em termos de benefícios para a sobrevivência.

A visão de Harari é desafiadora e parece autocontraditória, pois ao rejeitar a religião, perderíamos os benefícios sociais que ela proporciona. Se vivemos num mundo evolutivo, por que adotar uma ideologia que possa levar à autodestruição? Como podemos confiar em nossas crenças sobre a evolução se nossas mentes foram moldadas por ela? A visão evolucionista pode ser autodestrutiva, como reconheceu Darwin.

Os materialistas frequentemente se opõem ao excepcionalismo humano, acreditando que somos apenas mais um animal. No entanto, é inegável que são os humanos que estudam os macacos e não o contrário. Embora existam gradações entre o comportamento humano e animal, a diferença é clara. Visite um zoológico e observe os macacos - a discrepância entre nós e eles é evidente. Se não conseguir enxergar isso, não sei como ajudá-lo.

Embora Yuval Noah Harari tenha conquistado a intelectualidade com seu livro "Sapiens" e seja considerado excepcionalmente bem escrito e acessível, sua abordagem simplista e naturalista em relação à evolução da religião levanta várias críticas. A falta de consideração pela complexidade do fenômeno religioso e a exclusão de possíveis propósitos para a cooperação e coesão de grupos através de crenças compartilhadas mostram a limitação de sua visão.

Harari parte da premissa de que "Não existem deuses" no universo, o que influencia todas as suas conclusões ao longo do livro. No entanto, ao rejeitar a religião e suas contribuições para a sociedade, ele não leva em consideração os benefícios sociais que ela proporciona, mesmo que muitos de seus aspectos não pareçam ter benefícios evolutivos diretos.

Além disso, ao considerar a visão evolutiva como a única explicação para todos os comportamentos humanos, Harari deixa de lado a possibilidade de propósitos morais e espirituais mais profundos por trás de ações aparentemente não relacionadas à sobrevivência e reprodução.

Em resumo, a abordagem simplista e naturalista de Harari em relação à evolução da religião pode ser considerada limitada e excludente. Ao não considerar outras possibilidades para a origem e propósito da religião na sociedade, ele deixa de lado aspectos importantes que desafiam sua visão de mundo e suas conclusões sobre a natureza humana.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo