Resenha: A leste do Éden, de John Steinbeck

Vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, A leste do Éden é a um só tempo uma saga familiar e uma transposição moderna do Livro de Gênesis.
Foto: Arte digital

APRESENTAÇÃO

Em seu diário, o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, John Steinbeck, chamou A leste do Éden de seu “primeiro livro”. De fato, ele tem a energia primordial e a simplicidade de um mito. Ambientado nos campos férteis do vale do Salinas, na Califórnia, este livro grandioso e por vezes brutal acompanha o destino entrelaçado de duas famílias ― os Trask e os Hamilton ―, cujas respectivas gerações revivem impotentes a queda de Adão e Eva e a rivalidade deletéria de Caim e Abel.

Vindo do leste, Adam Trask chega à Califórnia para trabalhar em plantações e cuidar da família nessa nova terra repleta de promessas. Entretanto, o nascimento dos gêmeos, Caleb e Aaron, leva sua esposa à beira da loucura, restando a Adam criar os dois filhos. Enquanto Aaron cresce emanando amor por todas as coisas ao seu redor, Caleb segue solitário, envolto por uma névoa misteriosa, acreditando que o pai se importa apenas com seu irmão. E a eterna tensão entre os gêmeos se agrava ainda mais quando se apaixonam pela mesma mulher. É uma tragédia anunciada.

Publicado originalmente em 1952, em A leste do Éden Steinbeck desenvolveu seus personagens mais fascinantes e explorou os temas mais recorrentes de sua obra: o mistério da identidade, a inefabilidade do amor e as consequências devastadoras da ausência de afeto. Obra-prima da maturidade do autor estadunidense, este é um romance poderoso e ambicioso, a um só tempo a saga de uma família e uma transposição moderna do Livro de Gênesis.



RESENHA



Foto: Arte digital


O livro a leste de Éden nos fala sobre a saga familiar de Steinbeck, situada na zona rural da Califórnia entre a Guerra Civil e a Primeira Guerra Mundial, é repleta de escrita impressionante e tragédias impactantes.  No início, o narrador destaca a América no final do século XIX e início do século XX como um país de fronteira, onde um recém-chegado poderia construir uma nova vida trabalhando duro e aspirando proporcionar uma vida melhor para seus filhos. Infelizmente, as terras disponíveis não eram mais de igual qualidade, com os ricos conseguindo as melhores terras e os pobres ficando com as mais difíceis de cultivar e permanecendo na pobreza.


O avô do narrador, Samuel Hamilton, chegou ao Vale Salinas na Califórnia sem riquezas, aceitando o solo seco e pouco fértil, já que todas as melhores terras estavam ocupadas. Mesmo com sua bondade, inteligência e habilidade de encontrar soluções inovadoras, Samuel e sua família viviam sob constante ameaça da pobreza. A esposa de Samuel, Liza, é provavelmente ainda mais trabalhadora, criando os seus nove filhos nestas circunstâncias precárias. Liza, porém, não compartilha da capacidade de alegria de Samuel; ela desconfia da diversão e acredita que dançar é um convite ao diabo. Estóica e sem reclamar, Liza supera seu sofrimento com a convicção religiosa de que no final será recompensada por isso. Muitos anos depois dos Hamiltons, Adam Trask chega a Salinas já rico e compra uma propriedade estabelecida com boas terras agrícolas. Adam teve uma vida de altos e baixos. Sua mãe morreu quando ele ainda era recém-nascido. Seu pai, Cyrus, bebia e jogava antes mesmo de perder a perna na Guerra Civil. E, no entanto, o menino parece inspirar Cyrus a mudar seus hábitos. Ele se casa novamente rapidamente, tanto para dar uma mãe a Adam quanto para ter uma companheira para si, e tem com ela um segundo filho, Charles. Cyrus cria seus filhos e trabalha em sua fazenda com uma eficiência que nunca havia demonstrado em sua vida antes. Ele lê obsessivamente sobre a Guerra Civil e torna-se conhecido por seu conhecimento e procurado por seus conselhos; uma nova carreira que se torna lucrativa, apesar de ele quase não ter vivido a guerra.



Foto: Arte digital



Adam é um pouco parecido com seu meio-irmão Charles, que quase o matou de ciúmes quando jovem. O ódio de Charles vem do tratamento desigual de seu pai, que favorece Adam. Cyrus defende sua paternidade diferencial, apontando as diferenças entre os irmãos, como forçar Adam a se alistar no exército contra sua vontade, mas não Charles.


Na jornada para a idade adulta, Adam experimenta altos e baixos, sorte e azar. Agora, com dinheiro e uma esposa, Cathy, ele está ansioso para recomeçar em Salinas. No entanto, seu sonho de felicidade e contentamento é cego para os desejos de Cathy, que busca uma vida completamente diferente.


Quando o romance atinge seu clímax, fiquei surpreso com o fato de Steinbeck ter conseguido fazer com que eu me envolvesse tanto em seus personagens que fiquei fortemente afetado por sua narrativa. Os eventos devastadores e comoventes não foram necessariamente surpreendentes, o leitor sabe que eles estão chegando, você espera que o autor não vá por aí, mas Steinbeck está seguindo uma cadeia de causalidade tão impossível de negar quanto implacável e deixa você com a sensação de que isso é uma escrita e narrativa incríveis. Antes de prosseguir, há um aspecto deste romance que me surpreendeu e contribuiu para o meu grande respeito por ele. Um dos personagens principais do romance é Lee, um americano, contratado por Adam Trask como cozinheiro e que se torna amigo de longa data de Adam. Em um capítulo, logo depois de conhecermos Lee, Samuel e Lee começam a conversar. Samuel está curioso para saber por que escolheu falar pidgin quando também fala inglês excelente e nasceu na América. Por que ele usa a fila? Por que ele não volta para a China? Por que ele se contenta em trabalhar como servo? As respostas de Lee a essas perguntas são tão honestas quanto profundas e foram uma surpresa agradável para mim, visto que este romance foi publicado em 1952.


Os leitores modernos criticam Vinhas da Ira de Steinbeck por seu foco nos Okies, negligenciando a diversidade daqueles que lutavam no oeste dos Estados Unidos daquele período, particularmente o grande número de sino-americanos. Não tenho certeza se Steinbeck recebeu muitas críticas sobre esse ponto na época ou se Lee e esta passagem são respostas a isso. Mesmo que o fossem, isso não deveria diminuir o aspecto humanizador desta passagem. Pode até mostrar um lado da interação entre culturas que vale a pena celebrar e suportar. Hoje, existe um impulso cultural considerável contra até mesmo fazer perguntas como esta, com acusações que vão desde ser desencadeante até ser racista, embora seja difícil ver como deixar uma pessoa curiosa na ignorância proporciona alguma solução. Aqui, as perguntas de Samuel são feitas por pura curiosidade. Lee não se ofende com eles e pode ver que Samuel está desafiando sinceramente seus próprios preconceitos e suposições ao perguntar a eles. As respostas de Lee não são contra-acusativas, mas visam informar e educar Samuel sem julgamento. É uma passagem de destaque em um romance de destaque.


A leste do Éden, uma saga familiar inspirada na história da própria família de Steinbeck, conta a longa história de sobrevivência de uma família, com mudanças na sorte ao longo do tempo e das gerações. O romance apresenta temas de caráter herdado, destino e legado do passado que influencia o futuro. As complexas relações entre pai e filho dominam a história, mostrando que nem sempre hereditariedade é destino. Além disso, o livro faz alusões bíblicas, como o relacionamento de Caim e Abel entre Charles e Adam Trask. A busca por uma terra prometida e personagens como Samuel Hamilton e a misteriosa Cathy também têm significados profundos no enredo.


A obra discute um tema controverso, baseado em uma passagem do Gênesis e na palavra hebraica “timshel”, que trata do livre arbítrio versus o destino predeterminado. A interpretação dessa passagem afeta profundamente os personagens do romance, influenciando suas escolhas e visão de mundo. 


É relevante ressaltar que o autor baseia os principais temas do homem e de Deus na história de Caim e Abel. De acordo com sua visão, qualquer pessoa com nome iniciado com a letra “C” representa Caim, enquanto aqueles com nome iniciado com “A” devem refletir Abel. No entanto, esta abordagem contradiz a visão bíblica, sugerindo que o homem é neutro em relação a Deus e Ele faz escolhas sem sabedoria perfeita, sem conhecer plenamente o coração dos homens. A noção de que o homem é um inimigo de seu Criador, rebelando-se contra Ele, é uma importante doutrina cristã de antropologia explorada no livro.


A obra apresenta pensamentos interessantes misturados com a ideia de que Deus é cruel e o homem é vítima de seu Criador diante do sofrimento. O conflito entre Caim e Abel, que fizeram ofertas semelhantes sendo Caim desfavorecido por Deus, reflete essa perspectiva. É fundamental para os cristãos compreenderem que essa visão é simplista e equivocada. Muitas vezes, tendemos a transferir a culpa para os outros ou para Deus em nossos pecados, ao invés de assumirmos a responsabilidade. Devemos reconhecer a santidade de Deus e a nossa condição pecaminosa, ao invés de nos colocarmos como vítimas inocentes.


É essencial amar a humanidade, mas também conscientiza-la da verdade sobre nossa natureza pecaminosa. Como está escrito no Salmo 14:3, “Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.” É necessário compreender a santidade de Deus e reconhecer nossa dependência Dele para superar o orgulho e a arrogância que nos impedem de reconhecer a nossa própria culpa e necessidade de redenção. Que possamos buscar a verdade e a humildade diante do Senhor.


Ao final, "A leste de Éden" é uma obra-prima da literatura que combina uma narrativa envolvente com personagens complexos e temas universais. Steinbeck constrói um mundo rico e detalhado que nos transporta para o Vale Salinas e nos faz refletir sobre questões profundas sobre a natureza humana e o destino. Com uma escrita impressionante e uma trama cheia de reviravoltas e tragédias impactantes, este livro nos faz repensar nossa própria jornada e as escolhas que fazemos ao longo da vida. É uma leitura imperdível para quem busca uma obra literária profunda e marcante.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© all rights reserved
made with by templateszoo